Português (Brasil)

GRÃ BRETANHA: O regime de Starmer não foi eleito para defender o neoliberalismo genocida

GRÃ BRETANHA: O regime de Starmer não foi eleito para defender o neoliberalismo genocida

As forças da classe trabalhadora e candidaturas Independentes lançam um desafio ao Novo Trabalhismo, caracterizado por muitos dos mesmos vícios neoliberais, chauvinistas e sionistas dos Conservadores

Compartilhe este conteúdo:

Democratas Consistentes, seção da CLQI na Grã Bretanha

Na imagem acima: Jeremy Corbyn, caçado e expulso do Partido Trabalhista por Starmer por defender tardiamente a sua liderança contra o golpe de ljhe  acusar de anti-semitismo, nas eleições de 2024, derrotou os Starmerites no seu antigo lugar em Islington North.

Ayoub Khan, ex-conselheiro do Partido Trabalhista e agora independente MP derrotou o neocon sionista Blairite Khalid Mahmood em Birmingham Perry Barr.
 
A imprensa e a sabedoria convencional dizem que o Partido Trabalhista (Labour) de Keir Starmer ganhou as eleições gerais de Julho de 2024 por uma esmagadora maioria, uma ‘landslide’ (avalanche), com a sua maioria geral de 171, e, portanto, tem um forte mandato para governar, tendo supostamente alterado o Partido Trabalhista para torná-lo adequado para governar, expulsando Jeremy Corbyn e os seus seguidores de esquerda.

Mas a "avalanche" é um mito. Agora Starmer tem menos votos do que teve o Partido Trabalhista dirigido então por Corbyn nas eleições gerais de dezembro de 2019, quando, ainda assim, os trabalhistas perderam para a ofensiva parlamentar da direita, quando o regime produzindo uma maioria geral para os Conservadores (Tories) de Boris Johnson.

O Partido Trabalhista liderado por Corbyn teve 10,29 milhões de votos em 2019, enquanto a votação de Starmer ficou bem abaixo dos 10 milhões. Em termos percentuais, o Partido Trabalhista de Starmer tem 33,8%, não muito mais do que em Corbyn em 2019 (32,1%). Este não é o produto de uma onda de votos para o Partido Trabalhista de Starmer, mas uma afluência muito mais baixa, apenas 60%, a mais baixa desde 2001. Causada pela conhecida similaridade entre os principais partidos, duas faces da mesma moeda como criticou George Galloway. Mais de 19,5 milhões de eleitores elegíveis não votaram. Cerca de 80% do eleitorado elegível não votou neste governo.

É o sistema eleitoral antidemocrático "First After the Post" que produziu esta anomalia. Neste caso, foi alimentado pela divisão e quase desintegração dos Tories. Isto não tem nada a ver com quaisquer realizações da liderança de Keir Starmer, que é caracterizada por muitos dos mesmos vícios neoliberais, chauvinistas e sionistas que os Tories.

Em 2017, numa eleição geral que assumiu o carácter de um confronto de classe entre os Tories, liderados por Theresa May, e um ressurgente Partido Trabalhista de esquerda, liderado por Corbyn, os trabalhistas tiveram 12,87 milhões de votos e 40% dos votos e os Tories foram forçados a contar com os próprios unionistas democratas de direita no Norte da Irlanda para obter as suas medidas aprovadas no Parlamento.

Mas em 2024 Starmer ganhou precisamente porque o voto dos trabalhistas não era um voto de classe, graças aos vícios do sistema eleitoral antidemocrático e da divisão e colapso dos Conservadores. A reforma teve um papel semelhante em dividir a direita como o Partido Social-Democrata fez com os Trabalhistas nas eleições de 1983. Embora isso não tenha sido uma manifestação tão extrema como o resultado de hoje, como em 1983, os Tories de Thatchers tiveram quase 44% dos votos. O Starmer alcançou hoje uma maioria maior do que o Thatcher com apenas 33%, e o Blair em 1997 teve uma maioria ligeiramente maior do que o Starmer, mas ganhou 43,3% dos votos. Foi também uma verdadeira avalanche.

Starmer não tem nenhum mandato real. Ele será um primeiro ministro fraco e provavelmente cruel. Antes mesmo de assumir o cargo, um sinal de aviso do que virá foi a decisão da polícia de se recusar a permitir que o movimento da Solidariedade da Palestina marchasse em 6 de julho na Praça do Parlamento e Whitehall. A polícia até então sabia muito bem que os Tories estavam acabados e é óbvio que eles iriam consultar e tomar nota das opiniões do grupo sionista em torno de Starmer para decidir o que seria permitido. Isto é um sinal de fraqueza, não de força de Starmer. O partido dele deve gerar rebeliões nas bancadas precisamente por causa dessa falta de um mandato sólido. Este não será um governo estável.

A vitória esmagadora de Jeremy Corbyn em Islington North é um golpe político considerável para Starmer e vai prejudicar a sua autoridade desde o início. Starmer geriu descaradamente um candidato que está envolvido em planos de saúde privados e que falou publicamente sobre a importância da privatização da saúde. Uma séria ameaça do novo regime desde que o seu designado Secretário de Saúde, Wes Streeting, um fundamentalista e demagogo religioso, para gerir a saúde.

A vitória de Shockat Adam sobre o futuro ministro Jonathan Ashworth em Leicester Sul é um golpe maravilhoso para os sionistas trabalhistas. Shockat fez de Gaza um grande elemento da sua campanha. O mesmo se aplica à vitória de Ayoub Khan em Birmingham Perry Barr, que assumiu o lugar do neocon sionista Khalid Mahmoud, que até serviu no Conselho do arqui-sionista neocon Henry Jackson Society. Iqbal Mohammad, um ex-membro do Partido Trabalhista, desistiu do partido por causa do apoio de Starmer ao Yoav Gallants, pedir a privação de comida, combustível e água à população de Gaza (descrito por Yoav Gallant, ministro da Defesa de Israel como "animais humanos"). Ele derrotou a candidata trabalhista, Heather Iqbal, recebendo 41% dos votos para os seus 23%. Uma vitória acachapante.

A proeminente ativista palestina Leanne Mohammad teve 500 votos e derrotou o arqui-sionista Wes Streeting em Ilford North. George Galloway, fundador do Partido dos Trabalhadores da Grã-Bretanha, perdeu o lugar em Rochdale que ganhou em Fevereiro, mas por cerca de 1.500 votos, prometendo levar a luta contra o Partido Trabalhista no Conselho de Rochdale. Starmer perdeu muitos votos na sua própria base eleitoral. 17 mil deles para Andrew Feinstein, que se saiu bem depois de uma campanha muito forte que atraiu ativistas de uma grande área que se opunham pela esquerda à Starmer. Ele estabelece um desafio para o futuro: Starmer não será capaz de vencer mais em seu próprio reduto eleitoral em futuras eleições.

Vivemos num mundo onde a social-democracia falhou, e o capitalismo imperialista está a ameaçar a existência humana tanto pela destruição da biosfera como através de guerras imperialistas predatórias e permanentes, das quais o genocídio em Gaza é a manifestação mais explícita. Precisamos desesperadamente de uma alternativa, tanto aqui como internacionalmente.

A esquerda precisa de criar um partido adequado para lutar no próximo período. Ao contrário da situação nos anos 2000 sob Blair, agora como resultado da experiência de ascenso passado de Corbyn no Partido Trabalhista, há uma grande camada de ex-laboristas envolvidos neste movimento. Embora os trabalhistas tenham uma história e um registo horrível como um partido controlado por uma burocracia pró-imperialista, o seu elemento de fidelidade partidária estava correto. Precisamos recriar o elemento de fidelidade partidária sem a burocracia pró-imperialista e ir além das fraquezas da extrema-esquerda em geral e do movimento trotskista em particular. Liberdade de crítica, unidade em ação, como nos estágios iniciais do Partido Trabalhista Social-Democrata Russo.

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!