Português (Brasil)

Bloco Imperialista Escala o Holocausto contra Palestinos, tentando evitar a derrota

Bloco Imperialista Escala o Holocausto contra Palestinos, tentando evitar a derrota

Declaração Conjunta do CLQI e da ClassConscious.org | O Genocídio em Gaza foi admitido até pelo TPI, a corte internacional burguesa A imagem que ilustra essa declaração é de TENDAS DE REFUGIADOS e blocos residenciais inteiros em Rafah bombardeados por Israel. Mais de 1,5 milhão de palestinos deslocados à força para Rafah no sul da Faixa de Gaza. No início da operação genocida a entidade sionista disse e divulgou panfletos que seria seguro sair do norte e ir para o Sul de Gaza.

Compartilhe este conteúdo:

No atual massacre em massa em Gaza, Israel já matou 30 mil palestinos, aproximadamente, o mesmo número de pessoas que a ditadura argentina de 1976-83, a mais sangrenta da América do Sul. O julgamento provisório do Tribunal de Justiça Internacional (TPI), com sede em Haia, Países Baixos, proferido em 26 de Janeiro, é a expressão judicial do movimento de protesto maciço contra o monstruoso massacre de palestinos em Gaza desde o início de Outubro de 2023. É o produto da pressão do movimento de massa mundial refratado através de uma corte burguesa.

Os juízes, que são principalmente responsáveis perante a Assembleia Geral da ONU, foram confrontados pela África do Sul com uma acusação detalhada da tentativa de Israel de destruição sistemática os palestinos de Gaza desde Outubro. A acusação também apela para que o TPI exigisse medidas provisórias para parar o massacre antes mesmo que o tribunal chegue a um veredicto se está ou não ocorrendo um genocídio.

O TPI não se atreveu a confrontar diretamente os imperialistas, concordando com as duas exigências iniciais da África do Sul de que Israel “suspendesse imediatamente” as suas operações militares “dentro e em torno de Gaza”. Isso obviamente significa um cessar-fogo total por parte de Israel. Mas exigiram que Israel parasse praticamente tudo o que está a fazer para destruir os habitantes de Gaza.

Essa foi a influência do movimento de massas global e da resistência heróica, dos combatentes palestinos em Gaza, dos Houthi e outros na Ásia Ocidental, bem como da pressão política liderada pela África do Sul. O julgamento foi enfático: as votações entre os 17 juízes foram anunciadas publicamente como é de praxe. Apenas um juiz israelita ad hoc e um ugandense claramente dissidente votaram contra os elementos mais contundentes do acórdão.

Estes aceitaram concretamente que existem provas “plausíveis” e, portanto, jurisdição “prima facie” [logo à primeira vista] ao abrigo da Convenção do Genocídio, de ações genocidas israelitas contra a parte substancial do povo palestiniano que vive em Gaza, como um grupo humano, matando membros do grupo, causando-lhes graves danos físicos e mentais, infligindo-lhes, deliberadamente, condições de vida calculadas para provocar a sua destruição física e impedindo o parto de palestinas de Gaza, conforme formulado na Convenção do Genocídio. Observaram também que a esmagadora maioria dos habitantes de Gaza foram expulsos das suas casas e forçados a fugir de um suposto refúgio para outro, onde podem e são atacados com armas mortais, tanto nos locais de onde fogem, como para onde fogem, e em a marcha entre eles.

Em vez da exigência de cessação, o tribunal exigiu que Israel garantisse que estes fossem evitados, que o incitamento direto e público ao genocídio fosse prevenido e punido, que fossem prestados serviços básicos e assistência humanitária, que as provas de genocídio fossem preservadas e protegidas de destruição (por Israel), e que Israel deve reportar ao tribunal sobre o progresso de todas estas coisas em um mês. (ver https://www.middleeasteye.net/news/israel-south-africa-icj-provisional-ruling-read-gaza-genocide para o texto completo do acórdão).

 

Uma humilhação de grande simbolismo para o sionismo e o imperialismo

 

A um certo nível, a posição do TPI poderia ser considerada covarde e uma traição. Afinal, o tribunal simplesmente não teve o princípio básico e a coragem política para desafiar não só Israel, mas também os seus protetores imperialistas, os Estados Unidos, a Grã-Bretanha, a França, a Alemanha e muitos dos seus outros parceiros imperialistas menores, que tentaram rejeitar o poder da África do Sul de acusação e destruir a sua base de fato. Sem mencionar as habituais difamações psicóticas contra o próprio Israel, que atribuiu a acusação sul-africana e, após o acórdão, a posição do próprio tribunal, ao “anti-semitismo”. Este abuso racializado obsceno por parte dos sionistas é em si um factor de intimidação que é muitas vezes eficaz em deformar até mesmo a política burguesa, e pode também ter sido um fator de intimidação destes altos juízes burgueses, de uma variedade de países, alguns imperialistas, outros não, de abertamente confronto com Israel, diluindo assim o seu julgamento.

 

No entanto, as categorias de provas que admitiram eram plausíveis e as provas «prima facie» são irrefutáveis. Na verdade, os numerosos assassinatos sumários cometidos pelas tropas das FDI em Gaza não foram totalmente descritos na acusação, mas foi apenas uma primeira parcela do que poderia ser documentado e sem dúvida o será. E dado que a resposta de Israel à decisão do tribunal foi continuar exatamente o mesmo assassinato em massa da população civil em Gaza como antes, e de fato aumentar a matança, é inconcebível que o tribunal possa decidir de forma credível no futuro, que de alguma forma essa evidência poderia ser desconsiderada ou refutada. Especialmente porque Israel continuou a atacar o hospital Nasser em Khan Younis, um dos poucos hospitais ainda (quase) em funcionamento em Gaza, imediatamente após o julgamento, tendo anteriormente inutilizado a grande maioria das instalações de saúde de Gaza através de ataques militares selvagens. Continuar o ataque ao hospital Nasser imediatamente após o julgamento foi um grande FODA-SE para a TPI, previsível, mas, no entanto, outro ataque selvagem e genocida, claramente calculado para destruir as condições de vida dos palestinos de Gaza.

A ameaça à população é ainda maior agora, depois que pelo menos ¾ da população de Gaza foi confinada pelo terrorismo em massa israelita na área de Rafah, no extremo sul da Faixa. Netanyahu está a promover uma “evacuação” em massa desta população como uma “solução” para o “problema” de Gaza, o que deveria lembrar ao mundo que o “projeto original” de Hitler da “Solução Final” para o “problema” da Questão Judaica Europeia era o plano de deportá-los todos para o Madagascar. Quando isso falhou, os nazistas recorreram ao assassinato em massa. O problema de Netanyahu é que uma tentativa de expulsar quase dois milhões de pessoas para além da fronteira egípcia já foi descartado pelo Egito e pode resultar num confronto armado que poderá destruir o “acordo de paz” Begin-Sadat de 1979 [ao fecharmos a declaração havia uma movimentação suspeita de veículos pesados e militares pavimentando uma região extensa no Sinais, na fronteira do Egito com Gaza https://sinaifhr.org/show/332]. A Jordânia também deu publicamente um aviso semelhante (ambos não têm escolha, devido à raiva popular contra o genocídio sionista). Ele está a tentar subornar vários países africanos e de outros países para serem destinatários de deportados em massa, mas isso também os deixaria expostos a possíveis consequências do TPI, etc., no futuro.

Ele poderia lançar a sua própria “Solução Final” com um extermínio total dos deslocados em Rafah através de bombas e assassinato sumário pelas FDI, mas a reação popular internacional poderia varrer o lobby israelense em uma onda de raiva popular. Neste contexto, a proposta do Hamas de uma trégua alargada em três fases de 45 dias, uma troca em grande escala de prisioneiros, etc., uma ajuda maciça e uma reconstrução faseada de Gaza com fiadores internacionais (incluindo o Egito, a Turquia e a Rússia) enquadra-se bem com as exigências da TPI, e embora tenha sido rejeitada por agora, pode muito bem ser um fator posterior. Um tal acordo poderá finalmente derrubar Netanyahu em Israel. A entidade sionista se encontra em sérios problemas económicos e acaba de ser desvalorizado pela primeira vez na história pela agência de investimentos especulativos Moody. A sua indústria turística, especialmente a hoteleira, está agora a ser utilizada para acolher israelitas evacuados das vastas áreas próximas de Gaza e do Líbano.

O julgamento do tribunal, embora seja uma organização judicial burguesa e as questões envolvidas sejam refratadas através dela, é uma séria derrota política para o imperialismo sionista e os seus aliados/parceiros nos países imperialistas mais antigos, que respaldam Israel (e vice-versa). Ao longo das últimas décadas, pelo menos desde a década de 1970, eles protegeram Israel de uma condenação séria em qualquer fórum internacional burguês. Ser acusado de forma irrefutável de genocídio por um tribunal internacional burguês respeitável, com todas as advertências “provisórias”, é uma crítica séria. É claro que o tribunal não pode fazer cumprir as suas decisões – depende do Conselho de Segurança da ONU fazê-lo, e os EUA protegem habitualmente Israel de todo o tipo de votos críticos e particularmente vinculativos. Mas o tribunal tem um poder de influência consideravelmente maior do que meros votos no Conselho de Segurança da ONU ou mesmo na Assembleia Geral – os seus acórdãos têm potencialmente força legal nos países que ratificaram a Convenção do Genocídio. O facto de um Estado que as potências ocidentais promovem como uma “democracia” ser acusado de genocídio por tal órgão é um grande revés ideológico para o imperialismo.

 

O contra-ataque do imperialismo – Deixar Gaza ainda mais faminta!

Os apoiadores imperialistas de Israel, principalmente a administração Biden nos EUA, o governo conservador britânico de Sunak (seguido pelo dirigente Conservador do Partido Trabalhista imperialista, liderado pelo sionista “sem qualificação” Keir Starmer), Alemanha, Suíça, Canadá, Holanda, Itália, Austrália e Finlândia reagiram diretamente contra a decisão do tribunal um dia após o anúncio da sua decisão. Fizeram-no cortando a ajuda à Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados Palestinianos (UNRWA), a principal organização que distribui ajuda às vítimas da limpeza étnica israelita desde 1948. A sua função é manter milhões de refugiados palestinianos efetivamente apátridas, que praticamente não têm direitos, submetidos a fome. Desde que os israelitas começaram o extermínio total da população de Gaza, mais de 100 dos seus funcionários foram assassinados pelo Estado israelita enquanto tentavam entregar ajuda aos habitantes de Gaza, em condições de feroz bombardeamento israelita de toda a faixa. Mas porque Israel acusou agora alguns funcionários da UNRWA, com base em “provas” e “concessões” extraídas sob tortura (o que é simplesmente normal para as forças estatais sionistas) de estarem envolvidos na fuga da prisão liderada pelo Hamas em 7 de Outubro, a ajuda foi cortada da UNRWA, da qual milhões de palestinos dependem para sobreviver.

Este é um ato genocida e uma punição da UNRWA, não por qualquer suposto abandono durante o dia 7 de Outubro, mas na realidade, por fornecer provas consideráveis ao TPI do genocídio de Israel contra os palestinianos. Portanto, este ataque à UNRWA é claramente, por procuração, um ataque ao TPI por parte de Israel e dos seus parceiros neste crime de genocídio, e é agora claro, através desta ação, que os EUA, o Reino Unido, a Alemanha, etc., não estão apenas acessórios e cúmplices no extermínio dos palestinos de Gaza, mas participantes reais e diretos no extermínio através de bombardeios massivos, fome e doenças epidêmicas criadas deliberadamente.

Neste contexto, à medida que as tendências genocidas dos imperialistas se tornam mais claras, os seus ataques aos direitos democráticos a nível interno aumentam. Na Grã-Bretanha, houve uma série de detenções escandalosas de opositores de esquerda ao genocídio, de figuras importantes dos movimentos de solidariedade palestinos em Inglaterra e na Escócia.

Assassinos covardes das FDI sofrem reveses

De diferentes maneiras, os principais imperialistas estão numa posição dividida, porque Israel mordeu mais do que pode mastigar com este ataque genocida em Gaza. Não estão a ganhar a guerra contra o Hamas e estão a sofrer pesadas baixas em Gaza. As FDI são um exército covarde que pode massacrar civis num piscar de olhos, mas recua diante de uma oposição determinada, capaz e corajosa. Muitos vídeos do Hamas foram divulgados mostrando intrépidos combatentes da resistência usando uma mistura de ousadia e astúcia para explodir tropas israelenses em seus tanques, etc.

As notícias de tais reveses foram, em grande medida, suprimidas da população israelita, mas estão agora a vazar. Eles não conseguiram suprimir a notícia das mortes de entre 21 e 28 pessoas (o número total não é totalmente claro) em 22 de janeiro, quando um edifício que as FDI estavam minando para tentar destruir foi detonado por combatentes palestinos com membros das FDI dentro dele. Mas outros relatos de parte da mídia israelense dizem que cerca de 11 mil soldados das FDI ficaram feridos desde que tentaram ocupar Gaza no final de outubro.

Clínica da UNRWA na cidade de Gaza destruída por Israel. Cortar a ajuda à UNRWA por parte dos EUA/Reino Unido e de muitos países da UE, a pedido de Israel, é um ataque genocida directo à população palestina.

 

É normal que esses ferimentos em conflitos armados representem cerca de 3 a 4 vezes o número de mortes. Mas os israelenses só admitiram até agora cerca de 500 mortes. Isto sugere fortemente que o número real de mortos das FDI está entre 3.000 e 4.000, o que provavelmente explica por que Israel retirou de Gaza uma série de tropas de elite, como a Brigada Golani, durante o último mês. Eles precisam preservar as suas tropas para outras coisas. Isto não é um sinal de força.

Anteriormente, no ataque genocida de Israel a Gaza, os EUA transferiram o seu mais recente porta-aviões, o Gerald R Ford, para o Mediterrâneo Oriental para ameaçar o Hezbollah e dissuadir qualquer ação de solidariedade contra Israel pelos palestinos em Gaza. Mas no final do ano, foi retirado para os EUA, uma vez que o cenário mais provável passou a ser um ataque israelita ao Hezbollah, uma vez que estes se entregaram a ameaças de expandir a destruição de Gaza para o Líbano, aparentemente para desviar a atenção das suas dificuldades em Gaza. Os EUA não pareciam muito interessados em ser arrastados para uma invasão israelense do Líbano, sem dúvida estando perfeitamente conscientes do que aconteceu da última vez que isso aconteceu – a destruição de 241 fuzileiros navais dos EUA nas mãos do proto-Hizbullah em Outubro de 1983. O Hezbollah está muito mais forte agora e tem a capacidade evidente de devastar grande parte do Norte de Israel, razão pela qual grandes sectores da população israelita foram evacuados daquela região.

 

Um conflito mais amplo ameaça o domínio dos EUA na Ásia Ocidental

O ataque de drones às tropas dos EUA na fronteira entre a Jordânia e a Síria, em 28 de Janeiro, que matou três soldados dos EUA e feriu vários outros, fez com que os Ziocons dos EUA entrassem em apoplexia, exigindo um ataque dos EUA ao Irão em resposta. Netanyahu e os seus companheiros Kahanistas estão, sem dúvida, salivando por um ataque dos EUA ao Irã. Mas Biden recuou diante disso e, em vez disso, envolveu-se numa série de 85 atentados à bomba em 2 de Fevereiro contra grupos de milícias militantes locais anti-EUA/Israel no Iraque e na Síria. Isto em si é uma escalada, está a desestabilizar o Iraque, que tem um governo xiita que é amigo do Irã e tem legitimidade popular para as suas exigências para que os EUA deixem o Iraque. Ao atacarem forças “pró-Irã” no Iraque, estão a atacar efetiva e implicitamente o próprio governo do Iraque.

Atacar o Irã seria um grande passo para os EUA, o que realmente colocaria toda a região em chamas. Os EUA têm repetidamente feito acordos com o Irã, temendo uma guerra com um país muito mais poderoso e populoso do que o Iraque ou a Síria, e coisas como o acordo sobre a potencial capacidade nuclear do Irã são uma expressão desse medo. Rejeitado pelo arqui-sionista Trump, Biden tentou restabelecer os acordos, pelo menos parcialmente. A mentira e a disseminação do medo entre os Ziocons sobre as supostas ambições nucleares do Irão são desmentidas pela firme negação do Irã de tais aspirações, que o governo clerical iraniano diz serem, em qualquer caso, contrárias à sua ideologia religiosa. Mas ao desempenhar um papel de apoio à Rússia na guerra da Ucrânia, fornecendo à Rússia drones melhorados, etc., o Irã pode ter resolvido o problema das repetidas ameaças belicosas de ataque israelitas, que implicam uma ameaça nuclear. Tal ameaça nuclear sionista (que nem sequer é controlada pelos EUA, e está apenas à mercê das contingências de Netanyahu) é uma possibilidade deste governo de estilo nazi, que encurralado está a duplicar a aposta na expansão regional da guerra e Extermínio palestino. Como resultado da sua admissão nos BRICS, e desta colaboração militar com a Rússia, os imperialistas têm agora razões para acreditar que o Irã está agora coberto pelos guarda-chuvas nucleares russos, e talvez até chineses, como observou recentemente o comentador geopolítico brasileiro Pepe Escobar. Em qualquer caso, será recordado que Trump vacilou e cancelou um ataque dos EUA ao Iraque que tinha conduzido quando estava no poder porque ele temia as consequências.

Os EUA atacaram o Kataib Hizbullah, movimento radical xiita baseado principalmente no Iraque, mas também na Síria. Este ataque suscitou condenação e exigências de retirada dos EUA do governo do Iraque, solidário com o Irão, o que reflecte a opinião da população xiita maioritária do Iraque. Tal como acontece com os Houthi no Iémen, estes movimentos reflectem um sentimento popular esmagador.

Na Síria, o governo Assad nunca teve qualquer palavra a dizer sobre as tropas dos EUA que se infiltraram no Leste do país sob o disfarce da guerra civil patrocinada pelo imperialismo. Trump, como presidente, gabou-se abertamente de que estavam lá para roubar petróleo sírio. O resultado pode ser a erupção de grandes conflitos de guerrilha com o Kataib Hezbullah e outras forças radicais xiitas tanto no Iraque como na Síria, o que é altamente provável que se transforme numa guerra anti-imperialista de libertação nacional em ambos. Além de ter declarado guerra aos Houthis no Iémen, mesmo sem um ataque real ao Irã, isto parece destinado a evoluir para um conflito numa escala que os EUA provavelmente acharão impossível de gerir.

Tanto o Iraque como o Leste da Síria foram invadidos e ocupados pelos EUA como parte do projeto neoconservador de supostamente “libertar” o mundo árabe dos supostos déspotas “anti-imperialistas”, para os substituir por déspotas pró-imperialistas sob o pretexto de exportar 'democracia' através da 'intervenção humanitária'. Embora os EUA afirmassem estar a combater o Estado Islâmico/Daesh, que na verdade por vezes apoiavam (quando lhes era útil fazê-lo para desestabilizar Assad). Mas o mundo inteiro pode ver no holocausto de Gaza, que também se está a espalhar e a acelerar na Cisjordânia, qual é realmente o verdadeiro conteúdo de tal “intervenção humanitária”. A barbárie israelita em Gaza, e a crescente na Cisjordânia, excede em muito o EI/Daesh na sua ferocidade.

Instituto ligado a Netanyahu publicou relatório promovendo a "oportunidade única e rara" para a "realocação e assentamento final de toda a população de Gaza" Leia-se, limpeza étnica de 2,3M palestinos (Fonte: Fepal, https://x.com/FepalB/status/1716899939052408833?s=20)

 

Derrotar o Imperialismo. Por um Movimento Revolucionário Mundial!

Os imperialistas estão perdendo militarmente na Ucrânia, mas em termos da população dos próprios países imperialistas, a visibilidade disto ainda é relativamente pequena. Contudo, isto não se aplica a Gaza, onde o enorme descrédito do genocídio está a causar o que parece ser uma mudança revolucionária de consciência entre grandes sectores da população. Faz parte do declínio e do descrédito do imperialismo ocidental, tanto “no âmbito interno” como no estrangeiro, que está a crescer rapidamente, e é uma das pré-condições para desenvolvimentos revolucionários nos países imperialistas. Cresceu um movimento global que é maior do que o movimento de massas contra a Guerra do Vietnam, no final dos anos 1960 e início dos anos 1970, e contra a guerra no Iraque. Estas diferentes compreensões dos diferentes conflitos, na Ásia Ocidental e na Ucrânia, precisam de se fundir, e é uma tarefa fundamental dos revolucionários fazer compreender a sua interdependência essencial como parte de uma luta contra o imperialismo dos EUA, o seu parceiro sionista e outros aliados e clientes imperialistas. Um tal movimento anti-imperialista unificado é fundamental para desenvolver o tipo de movimento revolucionário internacional da classe trabalhadora que esta situação perigosa exige para uma resolução progressiva das crises em desenvolvimento da hegemonia dos EUA e do sionismo.

 

Pelo fim de toda a censura e ataques policiais/judiciais contra os oponentes do genocídio sionista!

Liberdade imediata e incondicional para Julian Assange!

Derrotar o Genocídio – Exijimos um cessar-fogo total agora!

Solidariedade com o Iémen, com todo o Eixo de Resistência e todas as forças na Ásia Ocidental que resistem à dominação e ao genocídio imperialista sionista e dos EUA/Reino Unido/UE!

Por um Estado Operário Multiétnico da Palestina, do Rio ao Mar!

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!