Português (Brasil)

CARTA ABERTA DE COMUNIDADES E ORGANIZAÇÕES POPULARES DO CEARÁ AO SENHOR PRESIDENTE LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

CARTA ABERTA DE COMUNIDADES E ORGANIZAÇÕES POPULARES DO CEARÁ AO SENHOR PRESIDENTE LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA

Compartilhe este conteúdo:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Senhor presidente Lula,

Somos pessoas simples, trabalhadoras, que lhe escrevem agora esta carta. Um documento parecido com este foi enviado à ex-governadora Izolda Cela, hoje integrante do Ministério da Educação, e ao governador Elmano de Freitas, depois de inúmeras tentativas frustradas de conseguirmos fazer com que eles nos recebessem. Chegamos a realizar grandes lutas com este intuito, mas fomos enganados em todas elas. Marcaram as audiências, para, em seguida, cancelarem-nas na nossa cara.

O Ceará tem sido palco de projetos que adoecem e massacram nosso povo, além de devastarem impiedosamente a natureza. O agronegócio e a mineração recebem todo tipo de benefício do Estado para envenenar nossa gente. Grandes barragens, que expulsam comunidades inteiras, são construídas, e cursos de rios são desviados para que não falte água a estes grandes empreendimentos. Projetos que causam fome, muita fome e agravam a crise climática já bastante sentida no mundo inteiro.

No litoral, as usinas de energia eólica e os grandes hotéis privatizam a praia, e agora manobram para privatizar também o mar. O nosso mar! Isso acontece sobre áreas de proteção ambiental, territórios de comunidades tradicionais. E o pior, presidente: tudo feito com muito dinheiro público; de nosso suor, custando nosso sangue! Recurso que poderia ser investido em um outro modelo de desenvolvimento. Sim, porque, apesar de toda perseguição, nossas comunidades e o povo em geral são mestres na construção de alternativas. Veja a produção de alimentos saudáveis, sem veneno! Por que não destinar prioritariamente água, terra e recurso público para esta prática?

Nas cidades do Ceará, os problemas do povo não são tão diferentes. O que ocorre no mato repercute no asfalto, e vice-versa. Entre tantas dificuldades que passamos, algumas nos afligem mais que tudo: a falta de moradia, de trabalho digno e a carestia. Temos certeza que o senhor entende que estamos falando de vida ou morte! Depois, no maior e cruel cinismo, ainda apresentam cadeias desumanas como solução para problemas sociais criados por criminosos de colarinho branco, com gordas contas bancárias nos paraísos fiscais do exterior.

Para piorar, por defenderem a vida, trabalhadores e trabalhadoras têm recebido constantes ameaças de morte. Somente no município de Fortim, somos aproximadamente vinte, com preços estipulados por cabeça abatida e por informações fornecidas. O senhor bem sabe que o Estado e seus governantes, porque deveriam encaminhar a solução dos problemas, mas não o fazem, possuem responsabilidade em tudo isso. Saiba também o senhor que o assassinato de qualquer um, qualquer uma de nós, depois de tantos alertas e denúncias, ungirá as mãos de todos os governantes de sangue, inclusive a vossa.

Lutamos cotidianamente para derrotar o fascismo/bolsonarismo. Eles foram “vencidos” nas eleições para o executivo federal. Agora é chegada a hora de ir além! A tão falada democracia não pode servir de maquiagem à continuidade dos projetos de morte e nem colorir de brilho o permanente impedimento do povo de participar das decisões que afetam sua vida.

Por isso, senhor presidente, estamos realizando a 1° Ocupação em Defesa da Casa Comum, porque temos preocupação com o hoje e com o amanhã. Por esse motivo, senhor presidente, ocupamos a sede do partido que governa o Ceará e o Brasil e a Barragem Fronteiras, em Crateús, para denunciar a implantação desses projetos que ameaçam a vida humana em nossa Casa Comum, o Planeta Terra; e para requerer uma audiência imediata com o governador Elmano de Freitas e seus secretários, e representantes do governo federal que tenham poder de decisão sobre as problemáticas apresentadas. As comunidades possuem uma pauta propositiva e esperam ser ouvidas. Sem enganação, desta vez.

Desde já agradecemos a atenção. Fortaleza, 11 de dezembro de 2023.

Assinam esta carta aberta:

Organização Popular – OPA,

Organização Terra Liberta Articulação Povos de Luta do Ceará – ARPOLU,

Articulação Antinuclear,

Teia dos Povos do Ceará.

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!