Português (Brasil)

CONGO: Parem com o Genocídio

CONGO: Parem com o Genocídio

O Congo é um belo país da África Central, tem o tamanho de toda a Europa Ocidental e é o país mais rico do mundo em termos de riqueza mineral. Contém ouro, diamantes, cobre, petróleo, gás, cassiterita, tântalo e também os chamados minerais "tecnológicos", como coltan e cobalto, necessários para telefones celulares, computadores, etc.

Compartilhe este conteúdo:

por Sunda San, publicado em  Democratas Consistentes


O Congo é um belo país da África Central, tem o tamanho de toda a Europa Ocidental e é o país mais rico do mundo em termos de riqueza mineral. Contém ouro, diamantes, cobre, petróleo, gás, cassiterita, tântalo e também os chamados minerais "tecnológicos", como coltan e cobalto, necessários para telefones celulares, computadores, etc.



O Reino do Congo teve o seu primeiro contacto com os europeus no final do século XV, quando os comerciantes portugueses chegaram e gradualmente começaram a fomentar conflitos em diferentes partes do Reino, até se desintegrar numa massa de mini-estados presos num conflito sem fim. Os prisioneiros dessas guerras contribuíram para o número de pessoas enviadas através dos mares para a América para se tornarem escravas.

Mapa da República Democrática do Congo


Em 1874, o “explorador” Henry Morton Stanley (nomeado cavaleiro pela Grã-Bretanha e eleito para o Parlamento) fez a sua terceira viagem a África, quando “atacou e destruiu 28 grandes cidades e entre 2 e 4 dezenas de aldeias” (nas suas palavras) como ele saqueou e saqueou seu caminho para a África. Em 1879, Stanley viajou novamente para a África em nome do rei Leopoldo II da Bélgica para colonizar o Congo para ele. Leopoldo tomou o Congo como sua propriedade pessoal, roubando e assassinando o seu povo para construir a Bélgica e enriquecer.

Depois que Stanley partiu em 1884, Leopoldo enviou hordas de bandidos para aterrorizar o povo e levar embora as riquezas (ver a obra O Fantasma do Rei Leopoldo, de Adam Hochschild). O Congo, tal como o resto de África, foi vítima da Conferência Imperialista de Berlim de 1885, que dividiu o continente entre as potências europeias. A Bélgica conquistou o Congo e, nos dez anos seguintes, o rei Leopoldo reduziu a população de 31 milhões para 10 milhões. O maior holocausto do século XX em termos numéricos foi a destruição do Congo. Ninguém levantou qualquer voz contra aquele holocausto que começou há 500 anos e ainda continua.


Adam Hochschild, O fantasma do rei Leopoldo: uma história de ganância, terror e heroísmo na África colonial (edição em inglês) 


Inicialmente, os europeus estavam interessados ??principalmente no marfim, mas depois um irlandês, John Dunlop, descobriu como fazer um pneu de borracha inflado para a sua bicicleta. Criou uma empresa de pneus que leva o seu nome e o resto, como dizem, é história. A borracha tornou-se o novo ouro. A borracha selvagem estava por todo o Congo, mas extraí-la era muito difícil. As pessoas que se recusaram a recolher borracha para os belgas tiveram a mão direita decepada. Nem mesmo as crianças foram salvas. A violência continuou inabalável até que a população diminuiu tanto que não havia mão-de-obra disponível e matar pessoas significou menos lucro. Foi o declínio dos lucros que reduziu os assassinatos. O governo belga foi forçado a "comprar" o Congo a Leopoldo porque os seus crimes foram expostos no relatório de Sir Roger Casement ao Parlamento Britânico.



Os franceses, alemães e belgas saquearam o Congo e os belgas recolheram as mãos decepadas dos congoleses como troféus na sua missão de pilhar os recursos de borracha do Congo. Há um museu em Bruxelas que tem réplicas de mãos de crianças decorando o exterior em homenagem ao assassino em massa Leopold.

Hoje, em toda a Bélgica existem monumentos ao assassino em massa Leopoldo, que continuam a recordar-nos o sofrimento e o horror e são uma prova irrefutável da sua falta de remorso. Como o mundo reagiria a uma estátua de Hitler na Alemanha?

Leopoldo (tal como os proprietários de escravos nas Américas) recebeu 50 milhões de francos “como sinal de gratidão pelo seu grande sacrifício pelo Congo”. Assim, mais uma vez vemos que o mal é lucrativo e fica impune.

O Congo ainda está traumatizado, psicologicamente destruído e incapaz de recuperar destas atrocidades e dos cerca de 300 milhões de africanos deportados e mortos a caminho das Américas nas deportações transatlânticas.

Para saber +

ÁFRICA: Viva a luta anti-imperialista no Níger e em toda a África!

Hoje, os recursos subterrâneos são a raiz do sofrimento do Congo. Muitos destes minerais são necessários para o funcionamento da sociedade moderna. Principalmente no setor de tecnologia, por exemplo, coltan. O coltan [1] é extraído no Congo por escravos virtuais que trabalham apenas para comer, não têm roupas de proteção que os protejam dos minerais tóxicos e radioativos e, portanto, certamente morrerão de câncer devido a esta exposição. Sem falar na poluição do meio ambiente e no envenenamento dos lençóis freáticos causado pela extração desses minerais tóxicos. 

Documentos recentemente divulgados mostram que imediatamente após a independência, a Bélgica e a CIA assassinaram o primeiro primeiro-ministro democraticamente eleito do Congo, Patrice Lumumba [2]. No ano passado, os belgas e os franceses admitiram o seu papel no assassinato, dizendo que depois de o torturarem e dispararem, dissolveram o seu corpo em ácido, mas mantiveram um dente para fins de DNA que acabaram de devolver à sua família.

 

Patrice Lumumba foi o primeiro primeiro-ministro legalmente eleito da República Democrática do Congo. Foi assassinado em 1961 na sequência de um golpe militar apoiado pelos Estados Unidos e pelo imperialismo belga, admitido pelo Departamento de Estado dos EUA em 2013, autorizado pelo Presidente Eisenhower.

 

Depois de assassinar Lumumba, eles instalaram um déspota corrupto, Mobutu. (Veja O Assassinato de Lumumba, de Ludo de Witte [3], e Chefe da Estação, de Larry Deolin [4]). Desde 1996, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha travaram uma guerra por procuração (por recursos) contra o Congo, utilizando o Ruanda e o Uganda.



Mais de 7 milhões de pessoas foram mortas (Relatório da ONU, 12 de Dezembro de 2008 - Congo, o conflito mais mortal desde a Segunda Guerra Mundial [5]), mas isso nunca é mencionado nas notícias porque as empresas ocidentais estão a lucrar com a matança. A exploração colonial criou uma situação em que vários grupos étnicos e religiosos competem pelo poder político e lhes concedem acesso a recursos económicos. A certa altura, os franceses favoreceram o grupo tutsi em Ruanda, mas mudaram de posição e favoreceram o grupo hutu. Isto resultou em guerras civis que deslocaram grandes grupos e os forçaram a fugir.

Em 1996 e 1998 ocorreram duas guerras civis no Congo, causadas pelo genocídio ruandês em 1994, desencadeado pelo assassinato do presidente hutu do Ruanda, Juvenal HabyarimanaDurante o genocídio, os extremistas hutus mataram quase um milhão de tutsis étnicos e hutus moderados. Depois disso, houve uma limpeza étnica dos Hutus e mais de um milhão de Hutus fugiram para o vizinho Congo.

Paul Kagame, atual presidente de Ruanda, criou um grupo de combatentes do exército ruandês conhecido como M23 que invadiu o Congo, cometendo execuções sumárias e forçando as pessoas a trabalhar nas minas que o M23 apreendeu. Ruanda é um país muito pequeno e sem recursos minerais.

Em 8 de Fevereiro de 2024, duas fontes da UE (1. Nazionale Audiencie-Espanha e (2) Tribunal de Grandestance de Paris-França) publicaram informações confirmando que Bill Clinton e os militares dos EUA estavam por detrás da conspiração que desencadeou o genocídio em Ruanda.

Michael Hourigan, juiz do Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR), na Austrália, descobriu durante uma investigação que Kagame e Clinton foram responsáveis ??pela derrubada do avião que transportava o presidente hutu de Ruanda (Habyarimana), desencadeando a tragédia.

16 anos depois deste crime, Hourigan telefonou para a sua chefe em Haia (Holanda), a procuradora-chefe do ICTR, Louise Arbor (Canadiana). Ele ligou para Nova York para informar o secretário-geral da ONU, Kofi Annan. Annan sabia que foi Bill Clinton quem ordenou o assassinato de Habyarimana. Annan informou então imediatamente Madelene Albright, secretária de Estado de Clinton (foi Albright quem escolheu Annan para substituir Boutrous Ghali como secretário-geral da ONU). Albright foi imediatamente ao escritório de Clinton e disse: “Sr. Presidente, a nossa acção contra a França no Ruanda veio à tona, os investigadores do ICTR descobriram que abatemos o avião francês.”

A derrubada do avião do presidente Habyarimana, ordenada pelo governo de Bill Clinton em 1994, assassinato que desencadeou a atual guerra no Congo, a mais sangrenta desde a II Guerra Mundial.

Para encobrir a história, Louise Arbor recebeu ordens de demitir o promotor do ICTR, Michael Hourigan, e cancelar a investigação. Kofi Annan recebeu ordens de enviar Michael Hall dos Serviços de Segurança da ONU para Ruanda para organizar a rápida partida de Michael Hourigan de Ruanda. Bill Clinton ordenou então que Albright pressionasse os juízes do ICTR para que não investigassem o acontecimento que desencadeou o genocídio no Ruanda: a queda do avião do Presidente Habyarimana. Um ex-assessor de Clinton lembra-se de Clinton ter dito: “Ninguém deveria saber que derrubei Habyarimana”. Clinton foi a Ruanda e ordenou que Kagame matasse todos que pudessem saber do assassinato de Habyarimana, começando pelas pessoas listadas no memorando que Hourigan enviou a Louise Arbor em Haia. Este foi o início de uma longa lista de assassinatos em todo o mundo. As duas pessoas que ajudaram os agentes de Clinton a abater o avião, Seth Sendashonga e Theoneste Lizinde, foram assassinadas em Nairobi, no Quénia, algumas semanas depois.

Clinton aconselhou Kagame a assassinar o general ruandês Faustin Nyamwasa na África do Sul. O assassinato falhou, então Clinton viajou para a África do Sul para pressionar por um encobrimento.

Em 25 de novembro de 1987, o General Colin Powell dirigiu-se ao Presidente Regan e disse: “Sr. Presidente, a Guerra Fria com os soviéticos acabou, o Kremlin já não tem forças para continuar, o secretário da Defesa Shultz chegou a um acordo nuclear com os soviéticos.” Reagan pediu ao General Powell que "encontrasse um novo inimigo para combater". O novo inimigo seria o Império Francês na África. Foi decidido que os recursos do Congo eram cruciais e deviam ser confiscados a qualquer preço, incluindo o genocídio...

O presidente francês Mitterrand percebeu a ameaça e tentou subvertê-la convocando todos os presidentes africanos sob controlo francês e proclamando uma nova democracia...  para corrigir “erros franceses”. Washington pretendia capturar a imensa riqueza mineral do Congo, o Pentágono decidiu invadir Ruanda através do Uganda, usando a rebelião da Frente Patriótica Ruandesa (RPF) como cobertura. Em 1º de outubro de 1990, o presidente ruandês Juvenal Habyarimana estava em Washington e o Departamento de Estado ofereceu-lhe asilo em troca da cessão de todo o poder a RPF de Kagame. Ele recusou e voltou para Ruanda. De Outubro de 1990 a Janeiro de 1993, o Pentágono forneceu a Kagame dinheiro, materiais e tudo o que ele pediu para derrubar o governo ruandês. Quando a França desembarcou as suas tropas no Ruanda para apelar a negociações entre o governo ruandês e a RPF de Kagame, Washington percebeu que não poderia invadir o Congo se houvesse um governo democrático no Ruanda. Washington decidiu assassinar os líderes Hutu.

Em Setembro de 1993, Clinton ordenou ao Pentágono e à CIA que ajudassem Kagame a assassinar o presidente Hutu do Burundi, Melchior Ndadaye, vizinho do Ruanda e aliado da França. Em 20 de outubro de 1993, Kagame, seus esquadrões da morte e agentes da CIA voaram para Bujumbura. O Presidente Melchior Ndadaye foi assassinado. Quando Kagame regressou a Ruanda, encontrou-se com o chefe da USAID para finalizar o plano para assassinar o presidente ruandês Habyarimana. Uma fonte lembrou que Kagame estava relutante e alertou sobre as consequências de tal ato. Mas Clinton, através do seu embaixador George Moose, disse a Kagame que assassinar Habyarimana era a única forma de vencer a guerra rapidamente. A CIA estimou que 50 mil pessoas morreriam como resultado do assassinato de Habyarimana e que seria um bom sacrifício por uma causa justa. O Pentágono forneceria tudo o que fosse necessário para o trabalho, incluindo assistência militar.

Kagame convidou dois rebeldes hutus e ex-aliados do presidente ruandês, Lizinde e Kanyarengwe, para preparar o plano de assassinato. Eles decidiram abater o avião perto do aeroporto Kagera Park. O presidente do Uganda, Yoweri Museveni, e o presidente da Tanzânia estiveram envolvidos no complô. O avião de Habyarimana foi atingido por dois mísseis durante a descida para a pista. Ninguém a bordo sobreviveu. Anthony Lake, conselheiro de segurança nacional de Clinton, veio até ele para dar a notícia. “Conseguimos: o Congo será americano!”. Clinton concordou em apoiar os rebeldes de Kagame em troca de Kagame actuar como representante dos Estados Unidos para invadir o Congo e derrubar Mobutu. Clinton, usando Kagame como cobertura, invadiu o Congo e matou 8 milhões de pessoas, incluindo cidadãos espanhóis, derrubou o controle da França e saqueou o Congo.

Centenas de milhões de dólares acabaram no bolso de Clinton e Kagame pôde então pagar dois jatos privados de luxo e um enorme edifício em Londres, com Tony Blair como sócio acionista.

Em Janeiro de 2009, quando Obama se tornou presidente, ordenou a Kagame que prendesse o general congolês Laurent Nkunda. Kagame ficou furioso e planejou matar Obama. Ele procurou a ajuda de Clinton e Tony Blair para abater o Força Aérea Um. A informação tornou-se pública e Clinton teve que se distanciar de Kagame. Ao mesmo tempo, o ICTR revelou os autores do assassinato de Habyarimana, pelo que as famílias procuram agora justiça em tribunal.

O processo pede 350 milhões de dólares como compensação pelas mortes injustas no assassinato terrorista no aeroporto de Kigali, em 6 de abril de 1994, dinheiro que Kagame não pode pagar. Kagame matou 8 milhões de pessoas, incluindo cidadãos espanhóis, durante a invasão ilegal do Congo por ordem de Clinton.

O governo congolês é incapaz de controlar o M23 ou outros grupos armados na sua luta para conquistar territórios ricos em minerais; Isto conduziu agora a uma crise humanitária prolongada no Congo. Milhões de pessoas precisam agora de comida, abrigo e cuidados de saúde.

A “comunidade internacional” permaneceu indiferente ao sofrimento no Congo. Não houve nenhuma iniciativa para envolver todas as partes nas negociações para acabar com o conflito.

As forças de segurança da ONU estão no Congo há 25 anos, mas a violência continua inabalável. Desde 1996, a Guerra Civil matou mais de cinco milhões de congoleses.

Em 12 de fevereiro de 2024, ocorreram grandes protestos em frente às embaixadas francesa, britânica e americana em Kinshasa. As pessoas tentaram queimar as embaixadas. No cartaz escrito em francês e inglês: "Paul Kagame, amigo dos ocidentais que matam no leste da República Cemocrática do Congo".

Em Setembro de 2023, o Governo pediu a saída da ONU. Em 3 de Novembro de 2023, um drone da ONU caiu no leste do Congo e quando as pessoas correram para o local do acidente para ajudar, encontraram pilhas de barras de ouro e armas. Uma semana depois, uma ambulância da ONU caiu e novamente as pessoas encontraram barras de ouro no veículo. Isto levou as pessoas a acreditar que as Nações Unidas estão a causar instabilidade e a pilhagem de recursos, em vez de proporcionarem segurança e manutenção da paz, como afirmam as Nações Unidas. Em 12 de fevereiro de 2024, ocorreram grandes protestos em frente às embaixadas francesa, britânica e americana em Kinshasa. As pessoas tentaram queimar suas embaixadas.

A menos que África inverta o que foi feito na Conferência de Berlim de 1884-85 (que traçaram as linhas políticas que dividiram para o imperialismo governar o continente), não haverá uma unidade significativa do povo de África. A África deve unir-se para lutar e derrotar o imperialismo.

 

Notas:

1. Coltan é a mistura de dois minerais: columbita e tantalita. Da columbita, extrai-se o nióbio; da tantalita, o tântalo. Esse último é um minério de alta resistência térmicaeletromagnética e à corrosão, sendo, por isso, muito utilizado na fabricação de pequenos condensadores utilizados na maioria dos aparelhos eletrônicos portáteis (celulares, notebooks, computadores automotivos de bordo). O nióbio é semelhante ao tântalo, além de ter potencial como supercondutor. Ambos os metais foram e continuam sendo fundamentais para toda a tecnologia relacionada a equipamentos eletrônicos.

2. Patrice Émery Lumumba, nascido como Élias Okit'Asombo (Onalua, Congo Belga2 de Julho de 1925 – Catanga17 de Janeiro de 1961), foi um líder anticolonial e político quinxassa-congolês. Em sua curta e tumultuada carreira política, ele optou por se alinhar aos valores anti-imperialistas e do pan-africanismo, defendendo consistentemente a solidariedade entre os povos da África para além dos limites de nação, etnia, cultura, classe e gênero, encorajando a luta não-violenta contra o colonialismo e convocando ao diálogo os países desenvolvidos e em desenvolvimento. Fundador do Movimento Nacional Congolês (MNC), ele foi a principal liderança na luta contra a dominação colonial belga no Congo, tendo participação decisiva na libertação do seu país do jugo imperialista europeu. Foi eleito primeiro-ministro de seu país em 1960, mas ocupou o cargo apenas por 12 semanas, pois seu governo foi derrubado por um golpe de estado liderado pelo coronel Joseph Mobutu em meio à crise política do Congo. Ao tentar fugir para o leste do país, Lumumba seria capturado algumas semanas mais tarde. Seu assassinato, que ocorreu em janeiro de 1961, teve participação do governo dos Estados Unidos e da Bélgica, que viam o líder quinxassa-congolês como alinhado à União Soviética.

3. O Assassinato de Lumumba, de Ludo De WitteO Assassinato de Lumumba desvenda a terrível massa de mentiras, hipocrisia e traições que rodearam os relatos do assassinato de Patrice Lumumba, em 1961 – o primeiro primeiro-ministro da República do Congo e um pioneiro da unidade africana – desde a sua perpetração. Fazendo uso de um vasto conjunto de fontes oficiais, bem como de testemunhos pessoais de muitos daqueles que estavam no Congo na altura, Ludo De Witte revela uma rede de cumplicidade que vai desde o governo belga até à CIA. A força pessoal de Patrice Lumumba e a sua busca pela unidade africana contrastam fortemente com um dos episódios mais obscuros da política do século XX

4. Chefe da Estação, Congo: Combatendo a Guerra Fria numa zona quente, livro de Larry Devlin que chegou como novo chefe de estação da CIA no Congo cinco dias depois de o país ter declarado a sua independência, o exército ter-se amotinado e a autoridade governamental ter entrado em colapso. Ao atravessar o rio Congo num ferryboat quase vazio, tudo o que conseguiu ver foram filas de pessoas a tentar viajar no sentido contrário – para fora do Congo. Nas primeiras duas semanas, ele se viu no lado errado de um revólver enquanto milicianos jogavam roleta russa, ao estilo Congo, com ele. Durante seu primeiro ano, o líder político carismático e imprudente, Patrice Lumumba, foi assassinado e Devlin foi amplamente considerado como tendo sido encarregado (ele foi) e por ter executado (ele não o fez) o assassinato. Depois salvou a vida de Joseph Desire Mobutu, que executou o golpe militar que pressagiava a sua própria ascensão ao poder político. Devlin encontrou-se no coração de África, lutando pelo futuro daquele que talvez seja o país estrategicamente mais influente do continente, com fronteiras partilhadas com outras oito nações. Conheceu todas as figuras políticas significativas, desde presidentes a mercenários, ao levar a Guerra Fria a uma das zonas mais quentes do mundo. Este é um clássico livro de memórias políticas de um mestre espião que viveu em tempos extremamente dramáticos.

 

 

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!