Português (Brasil)

Holocausto em Gaza cria uma crise histórica de hegemonia racista sionista

Holocausto em Gaza cria uma crise histórica de hegemonia racista sionista

Solidariedade com a luta anti-imperialista e anti-genocídio da Palestina! Derrotar o Sionismo! Derrote o imperialismo dos EUA/OTAN! Milícias Operárias em Defesa dos Direitos Democráticos !

Compartilhe este conteúdo:

 - Grã Bretanha, Por Ian Donovan

A classe dominante dos EUA e os seus lacaios na classe dominante britânica estão escancaradamente a dar apoio militar, e tanto apoio político aberto quanto ousam, a Israel na sua campanha genocida para eliminar o povo palestino. Isto não acontece apenas em Gaza; a Cisjordânia é a próxima, juntamente com os chamados árabes israelitas mais abaixo. Israel tornou-se o símbolo do racismo vil e do colonialismo do Ocidente, e o seu racismo é politicamente hegemónico, a forma de racismo mais abertamente expressa no início do século XX. Antigamente, o supremacismo branco explícito era visto com desprezo por um consenso burguês. Ainda mais o racismo herdado do anti-semitismo ao estilo de Hitler.

Isto estende-se até aos populistas de direita que emergiram da decadência do neoliberalismo na última década – mesmo eles têm de fingir que se opõem, de alguma forma, ao racismo aberto. A derrota da Alemanha nazi na Segunda Guerra Mundial pela URSS (que travou a maior parte dos combates e sofreu a maior parte das baixas) teve um enorme efeito ideológico no descrédito do racismo aberto e evidente. O racismo tem estado na defensiva desde então. Mas, paradoxalmente, houve e há uma exceção a isto: o racismo sionista. Essa forma de racismo é justificada tendo como álibi os crimes da Alemanha nazi contra os judeus para invocar a limpeza étnica genocida, e muitas vezes o assassinato em massa, da população árabe palestina. Num certo nível, isto é um paradoxo ideológico. Uma forma de racismo aparentemente capaz de sobreviver e prosperar, porque as pessoas dessa religião em cujo nome é praticado foram vítimas anteriores de genocídio.

Mas tais paradoxos ideológicos têm pouco poder por si próprios. Eles só podem tornar-se poderosos onde existe uma base material para eles. A base material para o aparente poder ideológico do racismo sionista não surgiu e não surge num vácuo. O que realmente aconteceu desde a Segunda Guerra Mundial foi que o sionismo, como estratégia política, conseguiu transformar a população judaica da Europa Ocidental e da América do Norte, principalmente de origem europeia, de uma população significativamente oprimida antes da Segunda Guerra Mundial, através de uma forma sui generis de mobilidade social, num dos povos opressores do mundo, ao lado dos europeus ocidentais brancos e dos anglos estadunidenses. Uma parte dessa população judaica foi a única que fez tal transformação, de vítimas do capitalismo imperialista, numa população privilegiada pelo capitalismo imperialista, na época imperialista.

A razão pela qual isto foi possível foi a estrutura social atípica dos judeus na Europa feudal. Sob o modo de produção feudal, a sua existência pré-capitalista como uma classe popular comercial (conforme analisado pelo teórico marxista judeu-belga da Questão Judaica, Abram Leon) levou-os a tornarem-se uma população oprimida no final da era feudal. de uma classe intermediária muitas vezes privilegiada no início da mesma época. Foram emancipados pelas revoluções burguesas, particularmente em Inglaterra e em França, quando o capitalismo estava na sua vigorosa juventude, e começaram a ser assimilados. Mas devido à sua história anterior como (antiga) classe, eles estavam predispostos e particularmente propensos à absorção pela pequena burguesia intelectual, o que muitas vezes os levou a desempenhar papéis de liderança no movimento da classe trabalhadora como uma resposta inteiramente natural à sua história de opressão e perseguição. Onde os judeus faziam parte da classe trabalhadora, tendiam a estar em secções especializadas em artesanato, como joalharia e vestuário, que estavam socialmente mais próximas da pequena burguesia. E também foram desproporcionalmente absorvidos, em virtude da sua longa experiência de troca de mercadorias, pelas partes mais mercantis da própria burguesia. Em meados do período feudal, essas camadas consideravam os comerciantes judeus pré-capitalistas como uma camada obsoleta e prejudicial de concorrentes. Mas sob o capitalismo generalizado havia muito mais espaço para eles.

Mas, no final do século XIX, por volta da década de 1880, a vigorosa juventude do sistema capitalista acabou e foi substituída por uma forma predatória de imperialismo capitalista, baseada no capitalismo monopolista, e num impulso para dividir o mundo entre alguns grandes Potências da Europa Ocidental e Central – acompanhadas pelos Estados Unidos e pelo Japão. Um nacionalismo febril do povo opressor foi a expressão ideológica deste imperialismo, e isso fez dos judeus um alvo de considerável antipatia por parte dos nacionalistas imperialistas. O papel dos judeus no movimento operário fez com que os nacionalistas imperialistas passassem a olhar com suspeita até mesmo para a grande camada de judeus burgueses, com uma ideologia racista paranóica que postulava uma conspiração entre os judeus de esquerda e os judeus burgueses, supostamente para estabelecer uma democracia racial “judaica” tirania sobre os gentios (não hebreus). Quando o capitalismo imperialista esteve perto do colapso na Grande Depressão da década de 1930, esta utilização dos judeus como bode expiatório levou ao genocídio.

E, caracteristicamente, foram os judeus artesãos e pequeno-burgueses de tendência esquerdista que foram esmagadoramente exterminados. Embora alguns judeus burgueses no epicentro do genocídio, a Alemanha, também tenham se tornado vítimas, em geral estes escaparam, e o resultado foi que a composição de classe dos judeus após o genocídio tendeu mais a reflectir a influência de camadas mais burguesas e privilegiadas. O Sionista foi uma tendência/estratégia burguesa que percebeu que, embora os Judeus burgueses tivessem sido usados ??como bode expiatório no período inicial do imperialismo, ainda assim eles eram objectivamente parte da burguesia imperialista e uma situação poderia ser criada, através da criação de um estado imperialista transplantado do seu próprio país, através da qual essa camada imperialista poderia ser capaz de liderar a 'sua' população anteriormente oprimida a juntar-se aos povos opressores imperialistas do mundo. Esse foi o “sucesso” (totalmente reaccionário) do sionismo em “libertar” os judeus europeus da sua antiga opressão, transformando-os numa população opressora, objectivamente, tendo o povo árabe da Palestina e dos países vizinhos como as suas principais vítimas. Esta é a situação objectiva dos judeus estadunidenses, da maior parte dos europeus e, claro, de Israel, hoje, apesar de algumas contradições subjectivas agudas derivadas da sua história. 

Israel tem uma burguesia única, grande parte da qual vive noutros países imperialistas, e foi integrada e actua como uma facção/casta organizada (composta por um conjunto de facções associadas) dentro da política burguesa nesses países. Simplesmente porque, embora o número e a proporção da população judaica possam ser pequenos, a proporção de judeus dentro da burguesia imperialista é muito maior, dezenas de vezes maior proporcionalmente [é o que chamamos de sobrerrepresentação do sionismo dentro da burguesia imperialista]. Isto é particularmente forte nos EUA e um pouco mais fraco, mas ainda assim muito importante, na Europa Ocidental. E a tendência ideológica hegemónica entre os judeus burgueses hoje é o sionismo, esmagadoramente. A hegemonia do racismo sionista tem sido reforçada e credenciada durante décadas pelo facto de os sionistas e a sua base social burguesa serem oportunistas inteligentes, que em vez de lutarem contra os nazis e opressores semelhantes do seu próprio povo, na verdade colaboraram substancialmente com eles, sacrificando o proletariado artesão e as camadas pequeno-burguesas radicalizadas do seu próprio povo, na causa da criação do seu próprio estado imperialista [a identidade de classe burguesa com os algozes de seu povo se sobrepôs a solidariedade com seu próprio povo]. Mas a narrativa promovida entre as massas por esta camada é que o seu povo é vítima do holocausto nazi, e a crítica significativa à sua hegemonia racista é efectivamente a mesma que o ódio genocida dos judeus pelos nazis, etc. o facto de os ideólogos sionistas personificados por Milton Friedman terem desempenhado um papel importante na criação da tendência económica/política neoliberal na década de 1970, quando o sistema capitalista novamente enfrentou uma crise aparentemente sistémica, significa que sectores da burguesia agora lhes atribuem a salvação do sistema capitalista em si. Isto criou um culto irracional dentro da política burguesa imperialista, que pode na verdade revelar-se tão prejudicial como o culto do anti-semitismo e de Hitler antes da Segunda Guerra Mundial.

O genocídio em Gaza gerou agora uma crise histórica de hegemonia sionista. É perfeitamente óbvio que o objectivo das acções israelitas em Gaza é a eliminação da população árabe palestiniana de Gaza. Este tem sido um objectivo sionista há muitos anos, e o advento da coligação Likud/Kahanista/Colonizadores Ultra-Ortodoxos de Netanyahu indicou, mesmo antes da revolta palestiniana de 7 de Outubro liderada pelo Hamas,, que serviu apenas como pretexto, que tal genocídio estava em curso na agenda imediata. O aumento acelerado do terror sionista na Cisjordânia mostra que não se trata apenas de Gaza. É um genocídio planeado há muito tempo, que se estenderá inevitavelmente à Cisjordânia e até mesmo à população “árabe israelita” dentro da Linha Verde, se a carnificina em Gaza não for interrompida. Contudo, não está claro se Israel tem a capacidade armada para levar a cabo um genocídio tão grande – esta formação imperialista transplantada é ela própria frágil – a população árabe nativa da região está muito mais profundamente enraizada e poderá ser capaz de derrubar a entidade sionista se enfrenta todos de uma vez. No entanto, a natureza frágil mas imperialista de Israel, mais a sua posse de centenas de armas nucleares e o fanatismo dos seus líderes de extrema-direita, significam que pode ser uma ameaça à própria existência humana, se conseguir provocar uma guerra total fora da guerra regional.

A massa da população mundial vê hoje o que está por trás do sionismo e compreende a sua natureza imperialista. Isto é particularmente verdade no Sul Global, cujas populações têm experiências terríveis de colonialismo e reconhecem muito facilmente a natureza de Israel. Bilhões de pessoas compreendem a função violenta de Israel e muitos milhões marcham contra os seus crimes. Mas mesmo nos países imperialistas, a população está agora, na sua massa, estão aprendendendo profundamente a natureza fascista, semelhante à nazi, genocida e desumana do sionismo. O lobby sionista tem sido incapaz de impedir que as notícias dos seus crimes massivos e terríveis se infiltrem até mesmo nos principais meios de comunicação ocidentais, mesmo que a influência da casta judaico-sionista dentro da burguesia imperialista tenha limitado isso. A ação judicial intentada no Tribunal Internacional de Justiça pela África do Sul, acusando coerentemente Israel de múltiplas violações da Convenção do Genocídio, não pode e não poderá ser ocultada. Porque a massa da população em todo o mundo já sabe a verdade sobre isso. Este é um enorme golpe para a hegemonia sionista, da qual nunca se recuperará totalmente.

[Nesse momento, a ação judicial sul africana já recebeu a adesão da Bolívia, Colômbia, Brasil, Venezuela, Malásia, Turquia, Namíbia, Jordânia, Paquistão e da Liga Árabe] (Rede Brasil atual: Brasil anuncia apoio a ação da África do Sul contra Israel em corte internacional, Brasil se une a países da Liga Árabe e outros como Bolívia, Colômbia, Venezuela e Malásia para pedir um cessar-fogo de Israel em Gaza).]

Os ataques histéricos aos direitos democráticos por parte de políticos pró-sionistas e de polícias sob as suas ordens (ver este artigo ) não devem ser tolerados. O facto de estarem a perder as massas torna-os mais, e não menos, histéricos, e alimenta prováveis ??ataques totais aos direitos democráticos que as massas alcançaram sob o capitalismo. O culto burguês do sionismo é potencialmente tão perigoso quanto o culto de Adolf Hitler – talvez mais ainda porque Hitler nunca teve armas nucleares, nem a tecnologia actual de vigilância e repressão. A única forma de salvaguardar plenamente os direitos democráticos é a actividade e a política independentes da classe trabalhadora. Em circunstâncias como as de hoje, quando as forças reacionárias e imperialistas estão a flertar com ataques totais aos direitos democráticos das massas, é necessário que os socialistas e os comunistas suscitem entre as massas a necessidade de órgãos de autodefesa baseados nas massas. O que Leon Trotsky escreveu no período da ascensão do hitlerismo tem relevância hoje, quando as forças pró-sionistas atacam os direitos das massas:

“Em conexão com cada greve e manifestação de rua, é imperativo propagar a necessidade de criar grupos de trabalhadores para autodefesa. É necessário inscrever esta palavra de ordem no programa da ala revolucionária dos sindicatos. É imperativo, sempre que possível…organizar grupos de autodefesa, treiná-los e familiarizá-los com o uso de armas.”

“É necessário dar expressão organizada ao ódio válido dos trabalhadores contra fura-greves e bandos de gangsters e fascistas. É necessário avançar a palavra de ordem de uma milícia de trabalhadores como a única garantia séria para a inviolabilidade das organizações, reuniões e imprensa de trabalhadores.”

Obviamente, a base tecnológica disto mudou desde a década de 1930. A mídia de hoje que precisa ser defendida provavelmente estará tanto on-line quanto impressa. Poderemos ser confrontados com ataques com drones e pirataria eletrónica, bem como com prisão e tortura de militantes. Deveríamos também estar cientes de que as técnicas utilizadas em Gaza não ficarão inevitavelmente confinadas lá. É inteiramente concebível que o assassinato em massa pela inteligência artificial possa estar no arsenal da classe dominante confrontada com um movimento revolucionário noutro local. Uma “milícia” hoje não seria, portanto, simplesmente uma cópia mecânica das observações de Trotsky sobre “perfuração” e “uso de armas”, embora provavelmente existissem elementos disso.

O princípio é o mesmo. A classe trabalhadora enfrenta mais uma vez ameaças potentes aos seus direitos democráticos. Precisamos de uma organização militante de massas baseada nas massas para defender estes direitos, se necessário, pela força física, e depois passar à ofensiva contra o inimigo de classe na forma concreta que hoje nos confronta. E tal como na década de 1930, precisamos de uma vanguarda marxista com consciência de classe que forneça o ímpeto político e a liderança para isso.

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!