Português (Brasil)

O cerco genocida de Gaza é como o cerco de Hitler a Leningrado

O cerco genocida de Gaza é como o cerco de Hitler a Leningrado

Compartilhe este conteúdo:

Precisamos de uma luta unificada contra o imperialismo: da Palestina à Ucrânia

Como uma máquina assassina, o regime mais abertamente racista do planeta está massacrando os palestinos. Mais de 10 mil já morreram, e outros milhares estão soterrados sob os escombros. Metade são crianças, uma vez que metade da população de Gaza tem menos de 18 anos. Os bombardeios terroristas de Israel e a fome dos palestinos, interrompendo todos os fornecimentos essenciais, incluindo combustível para geradores hospitalares, medicamentos, alimentos e até água potável, são impulsionados por um racismo semelhante ao nazismo. Gallant, ministro da Defesa de Netanyahu, justificou isto dizendo que os palestinos são “animais humanos”. Esta é a política do genocídio; eles gostariam de ver a morte de alguns milhões de pessoas. Ou pelo menos que o medo do massacre provoque uma fuga em massa de toda uma população “indesejada”. Eles também estão a preparar crimes semelhantes na Cisjordânia, onde mais de uma centena já foram mortos pelas mãos dos seus colonos e tropas sedentas de sangue.

Uma enorme onda de protestos e de fúria contra estes crimes atravessa o globo. Anteriormente, o presidente Russo, Vladimir Putin, que travava uma guerra contra os nazis apoiados pelos EUA na Ucrânia, comparou corretamente o cerco israelita a Gaza com o cerco de Hitler a Leningrado. Governos como da Jordânia, Turquia, Chile, Venezuela, Espanha, Irã, Iraque e da Colômbia condenaram-no, com razão, como genocídio, e nove países romperam relações diplomáticas com Israel. Biden, com o apoio de Sunak, premiê britânico, deslocou navios de guerra para o Mediterrâneo Oriental para ameaçar o Hezbollah no Líbano, na Síria e no Irã – protegendo Israel e ameaçando quaisquer nações inclinadas a ajudar militarmente Gaza. Os Estados Unidos e os seus aliados são os responsáveis por este massacre genocida.

Os sionistas esperam usar esta carnificina para induzir quaisquer sobreviventes a fugirem, realizando uma limpeza étnica. Netanyahu declarou abertamente que deseja que os habitantes de Gaza fujam para o Egito. É assim que tentam outra Nakba em Gaza, sublinhando o estreito parentesco entre o sionismo e o nazismo. A Nakba original de 1948 foi um semelhante crime monstruoso.

O vil governo de Sunak defende isso. Tentou motivar a polícia a atacar os direitos de manifestação dos apoiadores da Solidariedade Palestina, colocando-os como apoiadores do Hamas. O Hamas é popular entre os palestinos porque é visto como combatente incorruptível e militante, mas é apenas uma tendência ideológica militantemente islâmica – muitas outras tendências, algumas seculares e de esquerda, apoiam e/ou estão envolvidas na luta. As histórias nos meios de comunicação imperialistas sobre “bebês decapitados” e “estupro” cometidos pelo Hamas são mentiras desacreditadas. Surgiram agora provas de que muitas, se não a maioria, das vítimas do 7 de Outubro foram massacradas pelas forças israelitas, ao abrigo da “Directiva Hannibal” de Israel, que exige que massacrem as suas próprias tropas e até civis para evitar que sejam capturados.

Devemos apoiar as lutas do povo palestino pela libertação, independentemente de quem o lidera. Os ataques do governo mostram que os pró-sionistas no governo, todos mercenários neoliberais, têm opiniões genocidas. A deputada do Partido Conservador britânico Suella Braverman propõe que carregar bandeiras palestinas deve ser motivo de prisão. Ela expressa o ódio racial contra os palestinos – ela própria uma extremista perigosa. A liderança de Jeremy Corbyn no Labor Party foi destruída pela política sionista de desestabilização na Grã Bretanha, grande parte dela organizada pela Embaixada de Israel. A ala neoliberal trabalhou em estreita colaboração com o sionismo. Todos estes partidos são dominados pelos “Amigos de Israel” e os críticos do sionismo enfrentam uma caça às bruxas. Incluindo as tentativas dos conservadores de proibir as marchas de solidariedade.

No entanto, há muitos milhões de pessoas neste país que estão familiarizadas com a opressão genocida aos palestinos. A intolerância racista e anti-classe trabalhadora que está a arrastar a política para a extrema-direita está ligada a atitudes vis para com os palestinos e os muçulmanos, tal como antes da Segunda Guerra Mundial o ódio hitlerista aos judeus envenenou a vida política.

O presidente ucraniano Zelensky, fantoche dos EUA, juntamente com o primeiro-ministro canadense Justin Trudeau, aplaudiram de pé duas vezes o nazista Jaroslav Hunka, de 98 anos. Durante a Segunda Guerra Mundial, Hunka lutou na 'Divisão Galega' ucraniana das SS de Hitler contra a URSS. Essa é a natureza do regime que apoiam na Ucrânia na sua guerra de limpeza étnica e na ameaça de genocídio contra o povo de Donbass e da Crimeia.

Políticas semelhantes estão por detrás da guerra na Ucrânia, onde o Ocidente tem vendido a mais incrível série de mentiras, sobre a suposta violação de mulheres por parte dos russos, a morte de bebês e o envolvimento em “genocídio”. Quase exatamente as mesmas mentiras sobre os palestinos. Na verdade, as mortes de civis mortos por ambos os lados desde o início da Operação Militar Especial (SMO) da Rússia em fevereiro de 2022, há mais de 500 dias, são consideravelmente inferiores às prováveis 15.000 (ou mais!) mortes que Israel infligiu em Gaza em pouco mais de um mês.

Existem semelhanças consideráveis entre o que o imperialismo Ocidental está a tentar fazer na Ucrânia e o que os Sionistas estão a fazer na Palestina. Em 2014, os EUA gastaram 10 bilhões de dólares na organização do golpe de Maidan que levou os nazis banderaistas ao poder como parte do seu programa de expansão da OTAN, com o objetivo de levar a Ucrânia para a OTAN e ameaçar a Rússia mais de perto com armas estratégicas dos EUA. Como parte disto, o regime nazi aboliu a igualdade jurídica que existia anteriormente entre as línguas e começou a perseguir os russófonos, que representam aproximadamente a metade da população, particularmente centrados na região de Donbass, na metade sudeste da Ucrânia. Na Crimeia, onde a maioria é de fato russa, a população votou pela adesão à Rússia.

Isto veio à tona no início de 2022, quando o regime nazi, com os seus apoiadores norte-americanos liderados por Biden, planejou uma ofensiva muito maior para reconquistar o Donbass. A Rússia interveio na região de Donbass para impedir a ocorrência desta limpeza étnica e do genocídio. Se tivesse oportunidade, esta população oprimida votaria pela adesão à Rússia. A Rússia não nega o direito dos ucranianos ao seu próprio Estado e não há tropas russas no oeste da Ucrânia, de língua ucraniana. O imperialismo EUA-Reino Unido-UE acusa falsamente a Rússia de anexação da Ucrânia para encobrir a sua política de anexação em grande escala na Palestina.

Isto foi recentemente exposto no Canadá quando, em uníssono com o fantoche Zelensky, um sionista que promete fazer da Ucrânia um “grande Israel” através da expulsão ou assassinato de pessoas de língua russa, o primeiro-ministro canadense, o neoliberal Justin Trudeau, foi visto publicamente saudando um veterano de 98 anos das SS de Hitler. O apoio do Ocidente ao estado sionista de Israel, bem como o seu apoio à Ucrânia nazi, são realmente sinais da reabilitação da barbárie fascista que está a ocorrer na política ocidental. Este entendimento sobre as mentiras do imperialismo sobre a Ucrânia, precisa de se tornar tão amplamente conhecido como os fatos sobre a Palestina e Gaza: precisamos de uma luta unificada contra o imperialismo.

  • Na Palestina e na Ucrânia, um lado certo, um lado errado!
  • Solidariedade com os palestinos!
  • Solidariedade com o Donbass e a Crimeia!

 

(Este folheto foi publicado originalmente pelo bloco internacional de organizações denominado IUAFS, SOLIDARIEDADE ANTI-FASCISTA INTERNACIONAL DA UCRÂNIA, em 11 de novembro de 2023.)  

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!