Português (Brasil)

PALESTINA E IÊMEN: Os Imperialistas dos EUA e do Reino Unido são os patrocinadores dos bombardeios e do genocídio!

PALESTINA E IÊMEN: Os Imperialistas dos EUA e do Reino Unido são os patrocinadores dos bombardeios e do genocídio!

Fora as forças sionistas da área do Mar Vermelho! Derrotar a OTAN/Imperialismo Sionista! Por greves dos trabalhadores para defender as massas da Ásia Ocidental contra o assassinato em massa imperialista!

Compartilhe este conteúdo:

Declaração conjunta de ClassConscious.org e CLQI

EUA e do Reino Unido atacaram o Iémen no dia 11 de Janeiro. Essa ação é a expressão militar da defesa que esses dois países fazem, perante o Tribunal Internacional de Justiça em Haia, do genocídio contra o povo palestino por parte de Israel. O motivo do bombardeamento é o puro ódio racial e a arrogância imperialista. Como se atrevem estes árabes iemenitas a tomar medidas militares para defender as vítimas do genocídio de Israel em Gaza? Esses untermenschen [termo da ideologia nazista usado para descrever "povos inferiores"] devem aprender uma dura lição. Esse é o pensamento dos racistas sionistas em altos cargos como Anthony Blinken e Grant Schapps – trazendo um certo frisson em sua solidariedade racializada para a equação do terror imperialista. A terceirização da execução das tarefas mais bárbaras para acentuar o seu militarismo “normal” é uma característica da decadência avançada do imperialismo britânico, e os EUA estão a seguir o mesmo caminho. Estranhamente, Sunak afirma que o ataque ao Iémen é uma “autodefesa” – tal como os genocidas israelitas dizem que cortar a energia a bebés prematuros em incubadoras hospitalares é “autodefesa” – e tentam argumentar isso em Haia. Para essas pessoas, os iemenitas, que se manifestaram aos milhões em solidariedade com o povo palestino e, evidentemente, apoiam as ações dos Houthis deve ser dada uma amostra do que a população de Gaza está a receber, por ousar desafiar o genocídio de Israel.

O mundo inteiro sabe que a população de Gaza, incluindo inúmeras mulheres e crianças, está a ser exterminada por bombardeamentos massivos guiados pela IA israelita e queimadas com fósforo branco (em uma bárbara guerra química). É claro que o atual governo britânico apoia esse extermínio, de armas nas mãos. Não importa a conversa ambígua que ouvimos de Biden, Sunak e David Cameron sobre suas supostas tentativa de aconselhar Israel a abrandar as matanças de civis, essa é a realidade. Se alguém, em qualquer lugar, tentar impedir o massacre de Israel, será bombardeado pelos EUA/Reino Unido e os seus civis assassinados da mesma forma. Têm o apoio do líder trabalhista Starmer, que apoia o genocídio sionista contra os palestinos “sem qualificação” – outro assassino racista que precisa de ser julgado por cumplicidade com este extermínio em massa. Ambos os partidos deixaram anteriormente claro que defendiam que Israel privasse a população de Gaza de combustível, energia, alimentos e água – o que os torna tão culpados de fazer parte deste holocausto como os piores guardas da prisão de Auschwitz foram no holocausto nazi.

Os houthis estão sendo atacados agora por esses senhores representantes do sistema imperialista hegemonizado pelo capital anglo-saxão-sionista porque são os que verdadeiramente estão tentando conter a matança de civis e o maior crime contra as crianças já praticado na história da humanidade.

Aplaudimos as ações de princípio dos Houthi na tentativa de impor um bloqueio a Israel para tentar forçá-lo a desistir do seu genocídio em Gaza. O povo do Iémen, sob a sua liderança, foi ele próprio sujeito a uma guerra genocida durante décadas desencadeada pela Arábia Saudita, agindo como aríetes dos EUA/Israel. É um exemplo de como os imperialistas usam métodos de dividir para governar, mobilizando o antagonismo sectário sunita contra as várias populações não ortodoxas, influenciadas e derivadas dos xiitas na Ásia Ocidental para reforçar a sua dominação. O apoio secreto imperialista ao ISIS e à Al Qaeda na Síria, apesar das suas ações “terroristas” por vezes contra o Ocidente, é característico – na verdade, isto remonta ao apoio ocidental aos Mujahedin afegãos nas décadas de 1970 e 1980 contra o Partido Democrático Popular do Afeganistão e a URSS.

Mas os Houthi conseguiram derrotar a Arábia Saudita, apesar das terríveis atrocidades cometidas contra eles e o seu povo, e deixaram claro em alguns ataques exemplares que têm a capacidade armada para destruir as instalações de produção de petróleo da Arábia Saudita e de outras monarquias petrolíferas do Golfo, se suficientemente provocado. Deste impasse sangrento surgiu a oportunidade de a China mediar uma reaproximação entre a Arábia Saudita e o Irão, e o fim da guerra saudita contra os Houthi. Portanto, agora a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que (juntamente com o Egito e a Etiópia) aderiram aos BRICS no Dia de Ano Novo, não estão entusiasmados com esta guerra EUA-Sionista contra os Houthi. Os EAU, com o apoio visível da Rússia e da China, aprovaram a resolução de cessar-fogo no Conselho de Segurança da ONU em 8 de Dezembro, que foi claramente vetada pelos EUA.

Os Acordos de Abraham de Trump, que visavam unir os Estados do Golfo e Israel e remeter decisivamente a questão palestiniana à história e à traição terminal, explodiram a cara dos EUA. Embora Biden esteja desesperado para reanimá-los. A Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos recusaram-se a fazer parte da “Operação Guardião da Prosperidade” de Biden na reta de Bab-el-Mandeb, e o Djibuti, do outro lado da reta, condenou abertamente o ataque dos EUA/Reino Unido e solidarizou-se com o Iémen.

A tensão sobre a questão palestina, nesse momento, elevada ao máximo nível desde a fundação de Israel, está acelerando o desgaste e o isolamento do conjunto do domínio imperialista na região. Não parece aos observadores menos atentos, mas, política e diplomaticamente, esse genocídio está custando muito caro aos interesses estratégicos dos senhores e está comprometendo a própria existência de seu “porta-aviões no Oriente Médio”:

"Israel é a nossa fortaleza. É quase como ter um porta-aviões no Oriente Médio. (...) Se Israel desaparecer, os BRICS vão controlar 90% do petróleo do mundo e isso seria uma catástrofe para os interesses dos Estados Unidos." Robert Kennedy Jr., candidato "independente" (sic) nas eleições presidenciais de 2024 nos EUA, explica a importância estratégica de Israel e identifica quem são os inimigos da política externa de Washington. https://www.facebook.com/watch/?v=870155398093784

Os Houthi têm um dos exércitos mais experientes em batalha do mundo. Ao contrário da escória sionista das FDI, que só é capaz de assassinar mulheres e crianças, e até mesmo cortar a energia das incubadoras de bebés prematuros e deixá-los morrer de fome e decompor-se, os Houthi lutaram contra o muito mais poderoso exército de A Arábia Saudita e os seus aliados paralisaram. O terreno montanhoso do Iémen é semelhante ao Afeganistão em muitos aspectos: é fácil esconder o armamento sofisticado que os Houthi desenvolveram em locais onde os imperialistas não teriam a menor ideia. Sem dúvida que ainda serão capazes de ameaçar o transporte marítimo com destino a Israel, não importa o que os EUA/Reino Unido tentem fazer a respeito.

Os Houthis poderão, em algum momento, conseguir afundar os navios dos agressores, ou um deles, o que causaria imensos problemas a Biden/Sunak em casa. Eles não serão capazes de deter os Houthis, e seria necessária uma invasão terrestre do Iêmen para que tentassem seriamente. O que é uma grande armadilha para eles. Alguns dizem que a razão pela qual a Rússia e a China não conseguiram vetar a resolução que condenava as ações Houthi no Conselho de Segurança da ONU é que isso facilitaria o imperialismo dos EUA a cair nessa armadilha. Seja como for, os EUA fazem frequentemente o que lhes agrada e Israel certamente o faz, independentemente do que a ONU diz. Teria sido ainda melhor privá-los de qualquer cobertura da ONU e vetar a condenação, isso aumentaria seu isolamento diplomático. Uma tal armadilha no Iémen para as forças dos EUA seria exatamente o que os EUA merecem – um atoleiro para acabar com todos os atoleiros, poder-se-ia dizer. Mas, para nós, o erro da Rússia e da China em não vetar a ação contra os Houthis nesse momento pode ser tão grave como o erro histórico que ambos cometeram em não vetar a intervenção imperialista na Líbia, quando o comitê de segurança da ONU aprovou a tal “zona de exclusão aérea” sobre Trípoli. Mais uma vez, fica escancarada a limitação dos governos da Rússia e a China na luta contra o imperialismo.

Como marxistas revolucionários, procuramos a derrota do imperialismo dos EUA/Reino Unido/israelense e uma mudança de regime na Palestina Ocupada (“Israel”) para destruir o regime sionista, fazer cumprir o pleno direito de regresso de todos os palestinianos!

Se os habitantes de Gaza quiserem sair da prisão de Gaza, terá de ser para recuperar as terras de Israel roubadas a todos os palestinianos em 1948 e desde então!

Nenhuma limpeza étnica em Gaza.

Tirem as mãos da população da Cisjordânia!

Liberdade para todos os palestinos reféns de Israel!

Defender o Iémen. Derrotar os agressores dos EUA/Reino Unido!

Pela condenação dos líderes desse genocidio em Washington e Londres, e os seus cúmplices no país e no estrangeiro!

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!