Português (Brasil)

Vitória jurídica parcial de Julian Assange

Vitória jurídica parcial de Julian Assange

Este não é o fim da perseguição a Assange, mas parece que pode ser o começo do fim, e ele deve ter uma boa chance de vencer as próximas batalhas. Todos devem manter a pressão.

Compartilhe este conteúdo:

Democratas Consistentes, CLQI na Grã Bretanha

Em 20 de maio, no Tribunal de Apelação em Londres, Julian Assange obteve uma vitória jurídica significativa sobre as forças sinistras nos Estados Unidos que buscam jogá-lo em um estabelecimento de tortura dos EUA pelo resto de sua vida. Ele ganhou o direito a um recurso completo com base no fato de que seu direito a uma defesa contra as acusações (flagrantemente inconstitucionais) sob o US Espionage Act, seria negado nos EUA por causa da discriminação contra ele devido à nacionalidade. Isso o privaria da proteção elementar de seu direito à liberdade de expressão como jornalista sob a Primeira Emenda da Constituição dos EUA. O tribunal anterior (muito relutantemente) pediu garantias dos EUA de que Julian não seria executado (o que foi dado) e que ele receberia proteção da Primeira Emenda (que os EUA tentaram dissimular). O tribunal rejeitou a última evasão dos EUA e concedeu a ele o direito a um recurso completo neste ponto.

Tribunais anteriores rejeitaram escandalosamente acusações muito mais substanciais contra os EUA, incluindo perjúrio flagrante e ameaças (e conspirações!) para assassinar Julian, mas essa é a questão da qual eles não conseguiram fugir. Essa é uma mudança significativa, pois no próximo recurso, seus direitos sob a Convenção Europeia dos Direitos Humanos, que se aplica muito mais amplamente, entram em jogo.

Agora houve uma mudança contra a lei de linchamento instigada pelos EUA, na qual a classe dominante e o judiciário britânicos se envolveram durante a maior parte da última década e meia, negando-lhe direitos básicos e tentando isolá-lo com uma alegação fraudulenta de estupro na Suécia, para a qual nunca houve evidências suficientes para apresentar acusações. No entanto, a difamação de "estuprador" foi usada com sucesso para minar o necessário movimento de solidariedade. Julian não foi apenas difamado na imprensa e na política burguesa, especialmente liberal; grande parte até mesmo da "extrema esquerda" originalmente se recusou a defendê-lo por causa de sua própria bajulação à política identitária. Exceções proeminentes foram George Galloway e Craig Murray, que merecem parabéns por sua tenacidade e solidariedade. 

Essa histeria se dissipou e ficou claro para muitas dessas pessoas que os verdadeiros "crimes" de Julian foram expor o assassinato em massa cometido pelo imperialismo dos EUA. Sua campanha ganhou força, ele ganhou apoio do governo australiano e até mesmo parte da mídia liberal que o difamou, o enganou e o demonizou foi convencida a prestar homenagem à defesa de seus direitos. Este não é o fim da perseguição a Julian Assange, mas parece que pode ser o começo do fim, e ele deve ter uma boa chance de vencer as próximas batalhas. Todos devem manter a pressão.

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!