Português (Brasil)

Marxismo e a Guerra Fria após a contrarrevolução - Parte I

Marxismo e a Guerra Fria após a contrarrevolução - Parte I

O declínio do Imperialismo e a ascensão na Rússia e na China de um capitalismo não-imperialista, deformado por décadas de desenvolvimento não-capitalista

Compartilhe este conteúdo:
O declínio do Imperialismo e a ascensão na Rússia e na China de um capitalismo não-imperialista, deformado por décadas de desenvolvimento não-capitalista
Documento do CLQI

 

A série de golpes militares nacionalistas nas ex-colónias francesas, agora neocolônias, no Norte e Oeste de África, no Níger e agora no Gabão, e a expansão do bloco econômico dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), para incluir 6 novos membros (Argentina, Egito, Etiópia, Irão, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos) a partir de 1 de Janeiro de 2024, são ambos produtos de uma nova situação criada pela longa, brutal e claramente perdida guerra por procuração do Ocidente contra a Rússia na Ucrânia. A guerra na Ucrânia foi preparada por provocações imperialistas, “revoluções coloridas” (golpes), terror de extrema-direita apoiado pelo Ocidente contra os ucranianos de língua russa e ameaçou a expansão da OTAN na Ucrânia, supostamente enfraqueceria a Rússia e causaria o colapso.

Mas, o tiro saiu pela culatra. As sanções fortaleceram, não enfraqueceram, a Rússia relativamente aos seus antagonistas imperialistas, que sofreram um declínio maior nas suas economias do que a própria Rússia, devido aos efeitos nefastos econômicos. Na verdade, a Rússia está a recuperar rapidamente o terreno econômico perdido desde a intensificação maciça das sanções desde o início da Operação Militar Especial (SMO) em Fevereiro de 2022. Está a um passo de recuperar a sua posição no PIB antes desse ponto e sem dúvida o fará. E fará isso em breve. E na própria Ucrânia, o regime nazi enviou 400.000 dos seus próprios soldados para a morte em “moedores de carne”, tentando destruir a população do Donbass. Agora está claro que a Ucrânia não é capaz de derrotar essa população e as tropas russas que os defendem, e a fachada de propaganda imperialista está dando sinais de rachaduras.

A arrogância com que o Ocidente coletivo (ou seja, os imperialistas) exigiu que os países semicoloniais do Sul Global “sacrifiquem” as suas economias e os meios de subsistência do seu povo pelas sanções impostas ao petróleo, ao gás e a outras mercadorias e exportações russas, causou uma reação popular contra o imperialismo em geral, e antagonizou muitas camadas governantes burguesas semicoloniais, que subitamente viram a possibilidade de se libertarem das algemas do “mundo unipolar” e da chantagem econômica ocidental e do comércio diferencial (exploração). O crescimento dos BRICS de 5 para 11 membros no próximo dia 1º de janeiro significará que cerca de 47% dos recursos energéticos mundiais terão origem nos países BRICS. No próximo ano, prevê-se com segurança a adesão de mais 10 países, incluindo a Argélia e a Venezuela, o que elevará a participação dos BRICS nos recursos energéticos mundiais para cerca de 70%.

A fila para aderir ao BRICS é uma manifestação desta revolta dos países do Sul Global. Os golpes de estado na África do Norte e Central, que derrubaram os clássicos regimes fantoches pseudodemocráticos franceses, são outra manifestação da mesma revolta. O aumento do preço do urânio pelo novo governo do Níger, de 0,01 euros para 200 euros por kg, é um exemplo clássico. A França estava a deitar as mãos ao urânio nigerino pelo primeiro preço, enquanto o último ( € 200) é o preço normal cobrado pelos países imperialistas que exportam urânio, como o Canadá. (Spectacle: Níger aumenta o preço do urânio de 0,8 euros/kg para 200 euros/kg) Não é de admirar que a própria França tenha ameaçado com uma ação militar e tentado incitar a organização fantoche neocolonial CEDEAO (Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental) a fazer o seu trabalho por ela.

Mas isto foi tornado enormemente mais difícil pelas promessas de solidariedade de governos como o do Mali, Bukina Faso e Chade, já seriamente em desacordo com a França, que basicamente disseram que tratarão um ataque ao Níger como sendo um ataque a si próprios. E tudo foi ainda mais difícil pelo golpe que se seguiu no Gabão, que expulsou do poder outro notório regime títere francês. A França, nesta situação, atua como representante do Ocidente imperialista. Portanto, as consequências disto estão a dar origem a uma grande crise do imperialismo e da hegemonia dos EUA. O facto de os BRICS estarem à procura de meios de comércio alternativos ao anteriormente todo-poderoso dólar é outro grande problema para a hegemonia dos EUA.

Os EUA estão a tentar reagir a este desafio à sua hegemonia na América do Sul em particular, com o seu apoio óbvio aos candidatos da extrema-direita nas próximas eleições argentinas. Agindo como o vassalo brasileiro Bolsonaro, na contramão da desdolarização da economia, propõem redolarizar a Argentina, o que significaria um ataque massivo aos padrões de vida da sua classe trabalhadora e dos pobres. Estão a surgir lutas contra isso e as eleições de outubro serão um forte confronto sobre esta questão. Se conseguirem isto, outro golpe contra Lula no Brasil seria o próximo passo lógico.

A derrota iminente está a polarizar a própria burguesia dos EUA, exacerbando a guerra de camarilhas entre Trumpianos e Neocons no Partido Republicano, e deu origem à candidatura de Robert F. Kennedy Jr. nos Democratas. É altamente provável que possa haver um ou dois candidatos de “terceiros partidos” nas próximas eleições presidenciais de 2024, com ambas as máquinas partidárias a tentar marginalizar tanto os críticos da extrema direita como os “liberais” do fiasco da Ucrânia. Esta fragmentação da política dos EUA poderia muito possivelmente resultar no colapso das eleições do próximo ano no caos, o que seria certamente um símbolo do declínio imperial.

 

Contrarrevolução e a Nova Guerra Fria

A guerra na Ucrânia tem as suas origens na problemática sustentabilidade da contrarrevolução que se instalou na URSS, e mais centralmente na Rússia, em Agosto de 1991. Embora tenha destruído a URSS e fraturado o aparelho cuja principal função durante décadas foi manter a propriedade estatal dos principais meios de produção, não resultou no desmembramento e destruição da Federação Russa, componente central da URSS. Fraturar o Estado não é o mesmo que destruir os seus componentes administrativos e especialmente produtivos. Muitos elementos importantes sobreviveram, embora em alguns casos com títulos diferentes. Mas, em muitos casos, preservaram atitudes em relação à propriedade e aos vários componentes e classes da sociedade russa que eram simplesmente habituais e tinham funcionado durante muitas décadas, quase como um reflexo automático.

Este é o contexto do paradoxo da nova Guerra Fria de hoje. A força motriz da Guerra Fria original foi o antagonismo de classes e a luta de classes: em 1917, levada além da resistência pela primeira Guerra Mundial imperialista, a classe trabalhadora do Império Russo, apoiada pelo campesinato pobre dentro e fora de uniforme do exército, tomou o poder como classe e iniciou a tarefa de abolir o capitalismo. A onda revolucionária de que isto fazia parte, apesar de ter convulsionado grande parte da Europa, só foi vitoriosa na Rússia. E isso foi depois de lutar contra a invasão de 13 exércitos estrangeiros, principalmente imperialistas - tentativa de contrarrevolução vinda de fora, em aliança com o estado-maior da "Guarda Branca" do czar executado. Eles lutaram por toda a extensão da Rússia, da Europa ao Extremo Oriente.

Em nenhum outro lugar os jovens Partidos Comunistas conseguiram tomar o poder. Este isolamento da revolução criou uma nova situação até então desconhecida na história e não totalmente prevista pelos primeiros marxistas clássicos. O proletariado estava no poder num país materialmente atrasado, rodeado por Estados capitalistas-imperialistas mais avançados, mais produtivos e, em última análise, mais poderosos. Esta situação significou que o proletariado, no poder, mas isolado, foi sujeito a uma nova forma de opressão por parte do seu poder estatal, simplesmente em virtude das circunstâncias materiais opressivas de privação material, bloqueio e cerco. Durante um período de vários anos, esta opressão levou à atrofia dos órgãos diretos do domínio da classe trabalhadora, os sovietes, e à cristalização de uma burocracia laboral privilegiada no Estado operário. Esta degeneração fez com que o proletariado perdesse qualquer controlo real do Estado criado pela revolução e consolidou uma camada privilegiada de burocratas operários sobre a classe trabalhadora no poder.

O cerco econômico e militar é uma arma crucial do imperialismo contra um Estado operário em tais circunstâncias. Se a revolução mundial demorar demasiado tempo, a restauração capitalista começa, de uma forma molecular. Primeiro, com a cristalização de camadas privilegiadas que começam a defender a conciliação com o inimigo de classe, racionalizando o isolamento nacional numa “teoria” de que o socialismo pode ser construído dentro das fronteiras nacionais, abandonando a revolução mundial como objetivo. Continua com a dissolução formal das organizações internacionais e com a cristalização gradual e adicional da burocracia proletária de camadas mais abertamente aburguesadas. Estes agitam politicamente o “socialismo de mercado” e coisas do género, e gradualmente corroem o planejamento  econômico que a revolução criou, procurando uma maior “liberdade” económica, na realidade para ganhar dinheiro. Então, por sua vez, isto dá origem, nas gerações seguintes, como se viu, a uma classe capitalista aspirante que inevitavelmente viria a derrubar o Estado operário se os trabalhadores não conseguissem detê-la.

Este tipo de preparação molecular para a restauração capitalista levou várias décadas na URSS. Devido às profundas raízes sociais entre as massas que a revolução estabeleceu, ela só pôde cristalizar-se muito lentamente. Enquanto isto se cristalizava, a URSS, sob uma liderança burocrática deste tipo, lutou contra o gigantesco ataque imperialista de 1941 da Alemanha nazi, e depois suportou o bloqueio militar e econômico de décadas ao imperialismo estadunidense, expresso através da OTAN desde 1949. Mas a saúde da revolução mundial depende da classe trabalhadora organizada politicamente à escala internacional, isto é, à escala global, liderada pela sua vanguarda política mais consciente de classe e de pensamento claro. Uma vez que isso for perdido, se não for recuperado pela ação consciente das massas, a restauração capitalista nas mãos das várias camadas privilegiadas analisadas acima se torna praticamente inevitável.

Assim, não existiam forças políticas com autoridade de massas capazes de defender a URSS em Agosto de 1991: apenas um remanescente decrépito do próprio regime burocrático anterior tentou preservá-la contra os piratas vorazes, perfilados atrás de Gorbachev e especialmente de Yéltsin. Eram, de facto, um grupo fraco e quando o seu esforço de golpe de três dias falhou, a URSS foi aparentemente varrida com rapidez quando Yeltsin, o antigo chefe do Partido Comunista de Moscou, assumiu o controlo da Rússia e logo dissolveu o Estado central, embarcando em uma ofensiva privatizante, e um “tratamento de choque” econômico que forçou milhões de pessoas à fome, ao desespero e à morte, à medida que os seus padrões de vida eram rapidamente destruídos. A esperança de vida caiu cerca de 5 anos sob Gorbachev e Yeltsin no início da década de 1990, algo que só foi igualado em tempos de paz durante a década de 20 do século passado pela coletivização forçada da agricultura por Stalin, no rescaldo da revolta Kulak de 1929 (depois da burocracia, na sua própria fase inicial de mercantilização, ter encorajado as camadas camponesas soviéticas mais ricas a “enriquecerem-se”). Ambos os eventos mataram vários milhões. Mas só a fome estalinista é explorada pelo imperialismo e pelos seus agentes para culpar o “comunismo”; o massacre econômico sob Yeltsin teve a aprovação incondicional das burguesias ocidentais e, de facto, Putin é odiado por elas precisamente pelos seus esforços para reverter uma série de crimes de Yeltsin contra os povos da ex-URSS.

 

 

Marxismo e a Guerra Fria após a contrarrevolução - Parte II

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!