Português (Brasil)

Por que os atuais protestos pela Palestina são tão diferentes dos protestos contra a Guerra do Iraque em 2003

Por que os atuais protestos pela Palestina são tão diferentes dos protestos contra a Guerra do Iraque em 2003

Compartilhe este conteúdo:

Por Davey Heller, Class Conscious, 12/02/2023

Talvez não esteja claro para muitos dos milhões de pessoas que se manifestam, semana após semana, contra a violência assassina de limpeza étnica e genocídio de Israel em Gaza, que fazem parte de um movimento sem precedentes. Os únicos protestos globais remotamente comparáveis ??ocorreram em Fevereiro de 2003, quando cerca de 15 milhões de pessoas marcharam contra a iminente invasão imperialista ao Iraque liderada pelos EUA. Uma comparação entre os dois movimentos de protesto mostra, no entanto, que estamos atualmente a testemunhar um movimento de protesto muito mais anti-imperialista e orientado para a classe trabalhadora do que em 2003. Este artigo vai focar no contexto australiano, mas como a Austrália é uma potência imperialista chave e membro da rede dos “Cinco Olhos” haverá muitos paralelos com outros centros imperialistas.

A composição da direção dos protestos de 2003 e a perspectiva de muitos participantes, nos centros imperialistas, foram esmagadoramente liberais. Embora houvesse um sentimento anti-imperialista genuíno entre os protestos, a direção dos mesmos incluía grande parte da sociedade civil liberal ou “progressista”, incluindo sindicatos, igrejas e forças social-democratas. A guerra era conduzida por um Presidente Republicano, o que deu espaço a estas forças liberais para avançarem de forma oportunista. Na Austrália havia um governo de direita liderado por Howard. O então líder da oposição do Partido Trabalhista Australiano, Simon Crean, chegou a discursar no comício em Brisbane, embora tenha sido vaiado pela multidão quando declarou que apoiaria um ataque ao Iraque se este tivesse a aprovação da ONU! Este argumento liberal de a guerra ser “ilegal”, uma vez que não tinha sido sancionada pela “covil de bandidos” do Conselho de Segurança da ONU, era típico de grande parte do discurso liberal “anti-guerra” da época.

Manifestaçãoo no Sul da Austrália, em fevereiro de 2003, contra a Guerra do Iraque

Reunião no sul da Austrália, em fevereiro de 2003, contra a Guerra do Iraque.

Esta orientação liberal contribuiu para o fato dos protestos simplesmente terem evaporado após o início da guerra em 2003. Foram construídos sobre ilusões pacifistas e liberais e não tinham qualquer perspectiva de continuar a luta uma vez iniciada a campanha de “choque e pavor”. Foram construídos com base num ódio saudável das massas pelos horrores da guerra, mas careciam de profundidade política.

Os protestos de solidariedade palestinos, em comparação, não estão a ser liderados por nenhuma das principais forças liberais/progressistas. Estão também em oposição a uma guerra que está a ser patrocinada por um Presidente Democrata e, na Austrália, pelos governos Trabalhistas Estaduais e Federais. A maior parte da sociedade civil formal está demasiado intimidada ou comprometida para apoiar e promover formalmente os protestos em massa que a classe dominante tem caluniado como “divisivos” ou mesmo anti-semitas. As Igrejas e as ONG que há apenas alguns meses marcharam e penduraram cartazes promovendo o referendo “SIM” do Governo Federal Trabalhista para a criação de um órgão consultivo aborígene, na melhor das hipóteses, simbólico, estão visivelmente silenciosas sobre a Palestina.

Enquanto os sindicalistas de base se organizam vigorosamente em oposição à guerra através da rede dos Sindicalistas pela Palestina, em contraste, os burocratas sindicais na Austrália não estão em lado nenhum ou oferecem apenas apoio simbólico. Eles não querem expor os seus patrões políticos no governo do Partido Trabalhista.

 

Professores marchando em uma coluna de sindicalistas pela Palestina

Participei de todas as marchas até agora em Melbourne e observei que a direção dos protestos é muito mais popular. É significativo que a comunidade palestina australiana e as redes de solidariedade de longa data estejam a desempenhar um papel enorme na organização dos protestos de rua. Não havia nada equivalente em 2003, por exemplo, uma comunidade iraquiana da diáspora no Ocidente. Os árabes australianos e a comunidade muçulmana em geral também desempenham um papel de liderança. A guerra do Iraque de 2003 ocorreu imediatamente após a declaração da falsa “Guerra ao Terror” e foi um momento muito difícil para as populações descendentes da Ásia Ocidental nos centros imperialistas se organizarem politicamente de forma visível.

A liderança da comunidade palestina e as suas redes de solidariedade de longa data deram a estes protestos uma sustentação muito mais à esquerda e anti-imperialista, baseada na sua luta e perspectiva de décadas.

Um dos elementos mais notáveis ??nos centros imperialistas dos EUA, Canadá e Austrália é a ligação da luta pelos direitos palestinos com o quadro não apenas do anti-imperialismo, mas também do colonialismo dos colonos. Isto permitiu estabelecer ligações com as lutas dos povos indígenas e das Primeiras Nações destes países, que também são vítimas da contínua expropriação e da violência genocida. Isto manifestou-se com activistas do movimento “Soberania Negra”, como a Senadora Lydia Thorpe , discursando em todos os comícios de Melbourne, bem como com grupos como a União dos Povos Negros, co-organizando e liderando diversas acções diretas.

A liderança e a sofisticação política da diáspora palestina e as ligações feitas entre a luta palestina e outras lutas contra a violência colonial explodiram nas redes sociais com um tsunami de conteúdo pró-Palestina. O Tik Tok foi transformado numa “universidade popular” virtual, dando a toda uma nova geração um curso intensivo sobre a história da opressão sionista e imperialista da Palestina.  O Tik Tok, sob pressão, foi forçado a emitir um comunicado de imprensa protestando que não era culpa de seu algoritmo que sua plataforma estivesse cheia de conteúdo pró-Palestina, é apenas que os jovens em geral apoiam a Palestina!

A manifestação online de apoio à Palestina também está ligada aos protestos Black Lives Matter de 2020. Muitos dos criadores de conteúdo são pessoas de cor e de esquerda dos EUA, radicalizadas naquela época, que agora estão diretamente vinculando suas próprias lutas contra a polícia e a classe dominante dos EUA com a luta contra o genocídio sionista da Palestina. Este quadro de luta contra a opressão racializada do Estado também influenciou muitos jovens de todas as origens na Austrália. 

As bandeiras palestina e aborígine aparecem com destaque em comícios na Austrália

Os actuais protestos baseiam-se, portanto, para muitos, em perspectivas anti-imperialistas, anticoloniais e muitas vezes anticapitalistas, se não ainda comunistas. Isto significa que muitas das pessoas comuns da classe trabalhadora envolvidas no protesto são muito mais realistas do que em 2003 sobre o sentido da luta que estão a travar. Estão conscientes de que os protestos não serão suficientes para acabar com o genocídio e libertar a Palestina. Eles estão conscientes de que a luta precisará ser ampliada e aprofundada. Eles estão cientes de que os trabalhadores precisarão usar o seu poder coletivo. Eles estão conscientes de que a luta está a ser travada em oposição a todas as facções das classes dominantes dos seus países. Isto ajuda a explicar porque é que os protestos crescem a cada semana, em vez de se dissiparem. Significa que mesmo que os protestos desapareçam inevitavelmente a curto prazo, estão a lançar as bases para uma luta de guerra anti-imperialista em curso de uma forma que os protestos de 2003 simplesmente não conseguiram fazer.

Eles estão cientes de que estão a lidar com um governo sionista que é apoiado pelos EUA e por todas as potências imperialistas ocidentais. Eles também estão conscientes da profunda hipocrisia e da imoralidade doentia destas potências que “estão ao lado de Israel”, supostamente em nome dos direitos humanos e da democracia, enquanto um genocídio é cometido diante deles em tempo real! Isto é obviamente o que os educadores chamam de momento “pedagógico” para as classes trabalhadoras do mundo!

Vinte anos após os protestos anti-guerra de 2003, a crise capitalista aprofundou-se. Lições duras foram aprendidas pela classe trabalhadora em muitas frentes. A traição e a verdadeira natureza das forças social-democratas, liberais e progressistas aprofundaram-se e toda a classe dominante moveu-se para a direita. A classe dominante está a revelar a sua verdadeira natureza como fomentadores de guerra autoritários ou abertamente fascistas e a pretensão de imperialismo humanitário está a desaparecer sob as pressões de classe do momento. Acredito verdadeiramente que estes protestos fazem parte de um processo que está a tornar mais claro para as massas do mundo de que lado das barricadas devem estar. É um momento perigoso e a esquerda comunista não está tão organizada como deveria estar a nível internacional, mas mesmo assim a era da guerra e da revolução está a chegar, quer a esquerda esteja preparada ou não!

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!