Português (Brasil)

RÚSSIA: condenamos o ataque terrorista contra na Crocus City Hall!

RÚSSIA: condenamos o ataque terrorista contra na Crocus City Hall!

O ataque à Câmara Municipal de Crocus, em Krasnogorsk, nos arredores de Moscou, no dia 22 de Março, foi claramente um ataque assassino de inspiração ocidental contra a população da Rússia, embora pareça ter sido levado a cabo por jihadistas associados ao Estado Islâmico.

Compartilhe este conteúdo:

Declaração da CLQI (Grã Bretanha, Argentina, Brasil, EUA) - ClassConscious.org (Austrália e EUA) - National Democratic People Front/NDPF (Índia)

O ataque parece ter envolvido quatro homens armados, que abriram fogo contra civis que assistiam a um concerto na sala de concertos pública, matando a tiro 138 pessoas e ferindo muitas outras, e depois incendiaram o edifício. Os autores do ataque fugiram do local e foram detidos pelas autoridades estatais russas num carro que se dirigia para sul, através do distrito de Bryansk, a mais de 320 quilómetros de Moscou e perto da fronteira com a Ucrânia, a uma curta distância de Kiev, cerca de 14 horas de distância. Desde então, as forças de segurança russas detiveram outros 14 suspeitos de envolvimento no crime.

O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade pelo ataque. Sua falange “Khorasan” (ISIS-K) reivindicou. O Estado Islâmico esteve envolvido no conflito armado contra os Taliban no Afeganistão e supostamente estaria tentando criar um “califado” na Ásia Central, incluindo à Rússia ao mesmo território. Mas essa versão é altamente suspeita, como Putin deixou claro. Os homens armados capturados, do Tajiquistão, estavam muito ansiosos por fugir e não se tornarem mártires, aparentemente porque havia um pagamento à sua espera se conseguissem fugir para a Ucrânia. Dificilmente uma fortuna – apenas um milhão de rublos (cerca de R$ 54.682). Eles parecem mais terroristas mercenários pró-imperialistas do que combatentes abnegados contra qualquer tipo de opressão. Os EUA sabiam claramente o que estava a ser tentado na Rússia, pois aconselharam os seus próprios cidadãos e amigos em Moscou a evitarem grandes eventos públicos, como… concertos. Mas as autoridades russas afirmam não ter recebido qualquer aviso dos EUA ou de outras fontes ocidentais. O que não é nenhuma surpresa.

Todo o projeto ISIS-K enquadra-se muito bem com as aspirações imperialistas, tal como expresso no plano Brzezinski: o objetivo imperialista para as suas guerras por procuração contra a Rússia, para encontrar formas de dividir a Rússia em pedaços “administráveis” que possam ser subordinados e conquistados pelo imperialismo. É, portanto, do interesse da classe trabalhadora mundial que o Ocidente seja derrotado na Ucrânia. A resposta histérica a esta derrota iminente de alguns na Europa – desde as ameaças de Macron de intervenção armada direta das tropas francesas contra a Rússia na Ucrânia, até tais ataques terroristas flagrantes na própria Rússia, são um produto do desespero ocidental.

 

 

Mas ainda ameaçam uma escalada para um conflito militar total entre a Rússia/China e o imperialismo, tal como o fazem as várias provocações no Extremo Oriente contra a China, particularmente em torno de Taiwan. Houve numerosos ataques a alvos civis e políticos na Rússia – e não apenas na Rússia – por forças ocidentais pró-Ucrânia durante a guerra por procuração na Ucrânia. O maior desses actos foi a destruição do NordStream II, que o jornalista/denunciante sénior dos EUA, Seymour Hersh, identificou publicamente como obra dos EUA. Isto implicou o envolvimento dos EUA na coerção económica e no empobrecimento das suas populações “aliadas” na Europa Ocidental, na prossecução da sua vingança contra a Rússia.

Houve também assassinatos e atos de terror patrocinados pela Ucrânia, como o assassinato de Dariya Dugina, filha do proeminente filósofo direitista Alexander Dugin, e o do blogger militar Vladlen Tatarsky, claramente cometidos por assassinos guiados por ucranianos. Bem como os repetidos ataques ucranianos à cidade de Belgorod, com armas ocidentais, as repetidas tentativas de infligir baixas civis à população da Crimeia e a utilização de munições de fragmentação e de bombas de urânio empobrecido no Donbass, também destinadas a matar e envenenar civis, basicamente pelo “crime” de serem russos e exercerem o seu direito à autodeterminação ao votarem pela adesão à Rússia.

O motivo evidente para estender isto a Moscou e a Crocus Hall foi o desejo imperialista de “punir” a população russa pela reeleição esmagadora de Vladimir Putin nas recentes eleições presidenciais. A sua pretensão de que havia algo de desagradável naquele resultado eleitoral é desmentida pelos resultados das sondagens de opinião de organizações de sondagem aprovadas pelo Ocidente na Rússia, como o Centro Levada, que reportou um índice de aprovação de 86% para Putin pouco antes de ele ganhar 87% das eleições presidenciais – o que não é uma grande surpresa! (ver https://www.reuters.com/world/europe/putin-is-master-all-he-surveys-russians-head-polls-2024-03-15/ ).

Da mesma forma, tem havido histeria nos meios de comunicação imperialistas sobre a recusa de Putin em aceitar a história ocidental de que o E.I. foi o único responsável pela atrocidade da Câmara Municipal de Crocus. Nos primeiros dias da Operação Militar Especial no Donbass, houve uma séria preocupação por parte do Ocidente em evitar ser visto como responsável pelos imprudentes ataques nazistas ucranianos à própria Rússia, mas agora eles não se importam mais. Existe uma continuidade deste terrorismo contra a Rússia, e as negações ocidentais são tão fracas e pouco convincentes que claramente já não estão muito preocupados em escondê-lo.

Já se sabe que vários grupos de jihadistas pró-imperialistas lutam na Ucrânia ao lado das forças nazis que dominam o Estado ucraniano. Esta é uma continuação do uso de jihadistas semelhantes para derrubar o Coronel Qadhafi na Líbia, e para tentar derrubar Assad na Síria. E as implicâncias geopolíticas da questão não paramm por aí. A Rússia de Putin pôs fim à força as tentativas de derrubada de Assad pelo imperialismo, em aliança com organizações muçulmanas como o Hezbollah e o Irã. A Rússia também tem apoiado as lutas de libertação na região do Sahel, na África Centro-Ocidental (Níger, Mali, Burkina Faso e outros), onde o imperialismo francês e norte-americano também tem usado mercenários do Estado Islâmico contra as massas e como pretexto para a presença de tropas coloniais. E todas estas coisas estão sobre os ombros da jihad pró-imperialista contra o Partido Democrático Popular do Afeganistão na década de 1980. A jihad da CIA desempenhou um papel importante na destruição da URSS e tornou o mundo qualitativamente pior para a população do Sul Global, nas mãos do imperialismo norte-americano e dos seus aliados. Muitos dos povos mais politicamente conscientes, principalmente muçulmanos, que foram atacados pelos EUA no seu período de supremacia “unipolar” estão agora a juntar-se aos antigos Estados operários da Rússia e da China, ainda alvo do imperialismo para a conquista total, para fazer recuar a arrogantes dos EUA na sua tentativa de manter o “domínio total do espectro” do planeta.

O facto de jihadistas/mercenários pró-imperialistas estarem preparados para atacar a Rússia em nome dos EUA, enquanto palestinianos, que são majoritariamente muçulmanos, enfrentam o ataque mais ferozmente genocida e o extermínio em massa com armas dos EUA e outras armas ocidentais por Israel, o principal aliado do Ocidente, sublinha a traição de tais forças contra o seu próprio povo. Alguns políticos ocidentais e sionistas começaram a equiparar a Rússia ao Hamas, e Israel acaba de dar à Ucrânia um novo sistema anti-míssil, que é uma tentativa de uma séria escalada militar por procuração contra a Rússia por parte de Israel.

De Moscou ao Donbass, da Crimeia a Gaza, da Palestina ao Líbano, do Sahel ao Iémen – esmagar o terrorismo imperialista-sionista!

Derrotar a guerra genocida nazista da OTAN em Donbass!

Derrotar a guerra genocida israelense contra os palestinos!

Defender a Rússia e a China contra o imperialismo!

Transformar as lutas anti-imperialistas numa luta contra o neoliberalismo e contra o próprio capitalismo!

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!