Português (Brasil)

A Guerra da Ucrânia e a Terceira Guerra Mundial: o mundo multipolar é uma utopia reformista?

A Guerra da Ucrânia e a Terceira Guerra Mundial: o mundo multipolar é uma utopia reformista?

Compartilhe este conteúdo:

Ian Donovan, Democratas Consistentes, Grã Bretanha

A guerra na Ucrânia está em preparação há muitos anos. Suas origens estão na natureza incompleta da contrarrevolução que tomou conta da URSS, e mais centralmente da Rússia, em agosto de 1991. Embora tenha dilacerado a URSS e fraturado o aparato cuja principal função durante décadas foi manter a propriedade estatal dos principais meios de produção, não resultou no desmembramento e destruição da Federação Russa, componente central da URSS. Fraturar o Estado não é o mesmo que obliterar seus componentes administrativos. Muitos elementos importantes sobreviveram, embora em alguns casos sob títulos diferentes. Mas, em muitos casos, eles preservaram atitudes em relação à propriedade e aos vários componentes e classes da sociedade russa que eram simplesmente costumeiras e o foram por muitas décadas, quase como um reflexo automático.

Este é o contexto para o paradoxo da nova Guerra Fria de hoje. A força motriz da Guerra Fria original foi o antagonismo e a luta de classes: em 1917, impulsionada além do suportável pela primeira guerra mundial imperialista, a classe trabalhadora do Império Russo, apoiada pelo campesinato pobre dentro e fora do uniforme do exército, tomou o poder como classe e começou a tarefa de abolir o capitalismo. A onda revolucionária da qual este fez parte, apesar de convulsionar grande parte da Europa, só foi vitoriosa na Rússia. E isso foi depois de lutar contra a invasão de 13 exércitos estrangeiros, principalmente imperialistas – uma tentativa de contra-revolução de fora em aliança com o estado-maior da 'Guarda Branca' do czar executado. A revolução, na enorme, mas economicamente atrasada Rússia, ficou assim isolada e vítima de uma degeneração que fez com que o proletariado perdesse qualquer controle real do Estado criado pela revolução, que consolidasse uma camada privilegiada de burocratas operários sobre a classe trabalhadora no poder. O problema material é simplesmente que, enquanto o capitalismo imperialista avançado domina a maior parte do globo, uma revolução isolada dos trabalhadores, particularmente em um país atrasado, está em desvantagem material e, apesar do proletariado estar no poder, sofre opressão e privação material das condições de cerco econômico.

A única solução para isso é a revolução mundial e a derrubada da burguesia nesses países avançados opressores, para quebrar o cerco. O cerco econômico e militar de um estado operário é uma arma crucial do imperialismo contra tais estados, exceto uma invasão militar direta. Se a revolução se atrasa demais, começa a restauração capitalista, de maneira molecular. Primeiro com a cristalização de camadas privilegiadas que passam a defender a conciliação com o inimigo de classe, racionalizando o isolamento nacional numa 'teoria' de que o socialismo pode ser construído dentro das fronteiras nacionais, abandonando a revolução mundial como objetivo. Continua com a dissolução formal das organizações internacionais e a cristalização gradual e posterior da burocracia operária original por camadas mais abertamente burguesas.

Esse tipo de preparação molecular para a restauração capitalista levou várias décadas na URSS. Devido às profundas raízes sociais entre as massas que a revolução cavou, ela só pôde se cristalizar muito lentamente. Enquanto isso se cristalizava, a URSS, sob liderança burocrática desse tipo, lutou contra o gigantesco ataque imperialista de 1941 da Alemanha nazista e depois suportou o bloqueio militar e econômico de décadas do imperialismo dos EUA, expresso através da OTAN desde 1949. Mas a saúde da revolução mundial depende da classe trabalhadora organizada politicamente em escala internacional, ou seja, global, liderada por sua vanguarda política mais consciente e de pensamento claro. Uma vez perdido, se não for recuperado pela ação consciente das massas, a restauração capitalista nas mãos das diversas camadas privilegiadas analisadas acima torna-se praticamente inevitável.

Assim, não havia forças com autoridade política e influência social capazes de defender a URSS em agosto de 1991: apenas um remanescente decrépito do regime burocrático anterior tentou preservá-lo contra os piratas aloprados alinhados atrás de Gorbachev e especialmente Yeltsin. Eles eram realmente um bando fraco e quando seu esforço de golpe de três dias falhou, a URSS foi aparente e rapidamente varrida quando Yeltsin, o ex-chefe do Partido Comunista de Moscou, assumiu o controle da Rússia e rapidamente dissolveu o estado central, embarcando em uma massiva exercício de privatização e uma 'terapia de choque' [doutrina de rapina rentista-colonialista aplicada à Rússia nos anos 1990, tendo como modelo o Chile dos anos 1980, sob a ditadura de Pinochet] econômica que forçou milhões de pessoas à fome, desespero e morte enquanto seus padrões de vida eram rapidamente destruídos. A expectativa de vida caiu cerca de 5 anos sob Gorbachev e Yeltsin no início dos anos 1990, algo que só pode ser comparado em tempos de paz durante os anos 20 pela coletivização forçada do campo e sob o terror de Stalin, após a revolta Kulak de 1929 (depois que a burocracia, em sua fase anterior de mercantilização, encorajou as camadas camponesas soviéticas mais ricas a “enriquecerem-se”). Ambos os eventos mataram vários milhões. Mas apenas a fome stalinista é explorada pelo imperialismo e seus agentes para culpar o 'comunismo'; o massacre econômico sob Yeltsin teve a total aprovação das burguesias ocidentais e, de fato, Putin é odiado por elas precisamente por seus esforços para reverter uma série de crimes de Yeltsin contra os povos da ex-URSS.


A Nova Guerra Fria: Depois da Contrarrevolução

Há um enorme problema com a restauração capitalista em países onde por várias décadas o capitalismo não existiu e algum elemento de planejamento econômico tomou seu lugar. Isso está claro agora, quando uma nova Guerra Fria começou. No início da Guerra Fria, a ideologia do 'socialismo em um só país' levou à situação perversa de gigantescos estados operários deformados, como a URSS e a China, estarem em lados opostos do conflito geopolítico. Desde o início dos anos 1970 até o colapso da URSS em 1991, a China 'comunista' foi aliada do imperialismo dos EUA contra a URSS. Lutou, ora abertamente, ora secretamente, contra a URSS e seus aliados em várias guerras: invadiu o Vietnã em 1979 como “punição” pelo fato do Vietnã ter derrubado pela via armada, em 1978, o mais brutalmente irracional de todos os regimes stalinistas – o “Camboja Democrático” de Pol Pot (Camboja). A China armou e financiou, em aliança com os EUA e a Grã-Bretanha, o Khmer Vermelho quando eles efetivamente se tornaram guerreiros contrarrevolucionários contra o governo pró-vietnamita Hun Sen no Camboja durante a década de 1980. A China financiou os mujahedins islâmicos contrarrevolucionários no Afeganistão durante a década de 1980 em sua guerra apoiada pelos EUA contra a URSS e seus aliados nacionalistas de esquerda do Partido Democrático do Povo (PDPA), cuja derrota desempenhou um papel importante na destruição da URSS. Existiram também os anti-soviéticos e anticubanos financiados pela China, aliados do regime do apartheid na África do Sul, como a Renamo em Moçambique e a UNITA em Angola, contra governos populistas de esquerda pós-coloniais aliados soviéticos e cubanos, como a FRELIMO (Moçambique) e o MPLA (Angola). Foi quando a ideologia estatal da China era muito mais abertamente 'comunista' em coloração, em oposição a hoje, quando o mundo inteiro conhece o poderoso setor capitalista que desempenha um papel importante na China.

Uma forma de restauração capitalista ocorreu na China no início dos anos 1990, de cima para baixo através de uma grande camada burguesa, produto de uma prolongada mercantilização burocrática iniciada por volta de 1979 e prosseguindo por várias décadas, ganhando poder suficiente no Estado para absorver elementos-chave do próprio Partido Comunista governante. Até mesmo Xi Jinping, o atual Líder Supremo do Partido Comunista Chinês, faz parte dessa classe capitalista bilionária que teve sua gênese dentro do regime stalinista e tem algumas características marcadamente diferentes da norma capitalista, particularmente como visto nos países imperialistas onde o poder estatal é claramente uma ferramenta de poder corporativo. Na China, até certo ponto, o poder estatal se sobrepõe ao poder corporativo de uma maneira nova e sem precedentes.

Tanto a Rússia quanto a China são, portanto, formas de sociedades híbridas, onde o capitalismo é muito poderoso e ainda assim o poder do estado contém muito do que restou das décadas em que a forma dominante de propriedade era a propriedade estatal e o planejamento econômico. Não o socialismo, mas sociedades onde as formas de propriedade correspondiam ao domínio da classe trabalhadora e podem ser consideradas parte do que deveria ser a transição para o socialismo. O socialismo, ou a fase inferior do comunismo, sendo definido como uma sociedade onde os antagonismos sociais baseados em classes não existem mais, embora o horizonte do que Marx chamou de "direito burguês" ainda não tenha sido cruzado. A desigualdade social e econômica persiste sob o socialismo não entre classes como tal, mas entre diferentes setores dos próprios produtores associados, simplesmente porque a produção social não atingiu o nível de abundância para todos a ponto de tornar irrelevante a desigualdade formal. Haverá algumas funções até então que exigirão maior remuneração de material simplesmente porque sem isso não serão realizadas. À medida que o trabalho se torna mais social e gratificante em seus próprios termos, é provável que essas sejam as tarefas mais desagradáveis ??e/ou perigosas. Em um nível maior de riqueza material produtiva e social, tais considerações se tornarão cada vez mais irrelevantes, e a sociedade cruzará o horizonte do 'direito burguês' para o comunismo real, atingirá o 'estágio superior'. Isso, porém, é um processo que leva tempo. E nem a URSS nem a China "Vermelha" alcançaram sequer o estágio inferior do comunismo ("socialismo") conforme definido por Marx, muito menos o estágio superior.


Limites da Contrarrevolução; Mais possibilidades revolucionárias

Quando a história retrocede através da contrarrevolução, raramente consegue fazê-lo completamente. A revolução francesa que começou em 1789 foi a maior das revoluções sociais que levaram a burguesia ao poder e derrubaram o sistema feudal de propriedade e produção que precedeu o capitalismo na Europa. Em termos de seu impacto ao fornecer o ímpeto para a derrubada das formas locais de feudalismo e, pelo menos inicialmente, para a democracia na Europa, foi um dos maiores eventos da história. A fase radical-democrática da revolução sob os líderes históricos do partido jacobino, Robespierre, Danton e Saint-Just, onde a aristocracia francesa foi basicamente varrida pela dura medida da guilhotina, foi sucedida pelo Termidor, a tomada do poder por uma facção mais conservadora, e depois o Império burguês de Napoleão Bonaparte. Mas Napoleão, embora seu governo tenha encerrado decisivamente a fase radical da revolução em casa, exportou a revolução burguesa antifeudal por grande parte da Europa, quase até Moscou. Mesmo após a derrota final de Napoleão, a ordem feudal na Europa foi danificada de forma irreparável. No século seguinte, todos os absolutismos feudais, incluindo a Prússia e a Rússia czarista, foram forçados a introduzir medidas capitalistas social-revolucionárias de cima para tentar evitar que fossem impostas a eles por baixo, como na França revolucionária.

A derrota final de Napoleão em 1815 levou a uma tentativa de restaurar a antiga monarquia Bourbon francesa. Luís XVIII e seu sucessor Carlos X não conseguiram simplesmente restaurar o feudalismo e o absolutismo. O antigo regime na França era irreparável e, como provou a história do século XIX , também o foi a ordem feudal em toda a Europa, que foi convulsionada por revolução após revolução, de cima para baixo, ao longo do século XIX . A partir desses eventos revolucionários burgueses, o próprio movimento da classe trabalhadora tomou forma e começou a agir como uma força de classe independente por direito próprio, com as revoluções burguesas se entrelaçando com as lutas de classe do proletariado em uma extensão crescente ao longo do século XIX, atingindo um ponto alto inicial com a Comuna de Paris: a primeira tentativa de curta duração de criar um estado operário na história. Isso ocorreu no final da guerra franco-prussiana de 1870-71, que foi de fato a culminação da revolução burguesa (de cima) que unificou a Alemanha e a criou como uma grande potência capitalista.

Compartilhe este conteúdo:
 secretaria@partidocomunista.org
Junte-se a nós!